BIKE FEIJOADA

Publicado em 2/09/2017 00:09

Amanhã, domingão, a nutri vai comer feijoada.
Camila, feijoada?
Sim, feijoada.
Mas, nutricionista come feijoada?
Claro que come! Quem gosta come.
Hoje eu queria falar sobre extremismos.
Até porque ás vezes pode parecer que só vai comera feijoada porque pedalou 50km.
Sabe, aquela história: eu fiz exercício, então eu posso comer uma coxinha.
Extremismo não funciona.
Deixar de comer ou comer porque vai compensar não gera resultados duradouros.
Mais ou menos a expressão popular “correr atrás do prejuízo”.
Você come e se mata de alguma forma depois para compensar.
Apenas pare, porque isso não funciona.
Eu como de forma adequada e saudável na maior parte do tempo.
Eu pratico atividade física constantemente. Porque eu gosto, porque me faz bem.
E não é por isso que eu me permito comer feijoada ou qualquer outra coisa como lanche e batata frita.
Eu como quando me dá vontade de comer. Quando realmente me dá vontade.
Mas, Camila, eu tenho vontade toda hora.
Então, tem algo que não está indo bem no seu corpo: corpo nutrido pede nutrientes e não besteiras.
Se você vive com vontade de doce, lanche, pizza está na hora de observar seu estado nutricional, que não tem somente a ver com seu peso, mas também coma quantidade de nutrientes que você oferece para ele.
Corpo nutrido sente falta de alimentos que nutrem: frutas, sucos, legumes, verduras.
A diferença na disposição e funcionamento do seu corpo é impressionante quando você oferece para ele o combustível adequado.
E, estando adequado, não é problema nenhum de vez em quando entrar uma feijoadinha.
A exceção justifica a regra, moderando sempre.
Ainda mais se for para fazer algo que se gosta (pedalar) e ajudar quem precisa (nossa querida Apae).
Não seja extremista. Seja coerente, com você e com suas escolhas.
Liberte-se dessa prisão nutricional.

Uma vida saudável começa pela alimentação!
Consulte sempre um nutricionista!

Última Edição