Pílula da juventude

Publicado em 14/09/2019 00:09

A utopia da eterna juventude é um dos sonhos mais antigos do ser humano. Na ficção temos mitos, como o de Ponce De Leon e Shangri-La, que descreviam locais onde águas milagrosas reverteriam os efeitos da velhice nas pessoas. Atualmente a ciência conta com recursos como pílulas para manter a memória ativa e cremes de colágeno que prometem uma pele livre de rugas para disfarçar os efeitos da idade.
Agora, o desejo de prolongar a juventude acaba de ganhar um promissor aliado. Os cientistas descobriram uma droga que retarda o envelhecimento e pode ser uma espécie de fonte da juventude. A pílula do rejuvenescimento seria capaz de retardar os danos da idade à saúde, prevenir uma série de doenças e tornar o homem imortal. A droga que vai retardar o envelhecimento é a rapamicina. Pesquisadores publicaram na Science Translational Medicine que o fármaco pode fortalecer o sistema imunológico dos idosos e ajudá-los a combater infecções como a gripe. A rapamicina também se mostrou eficiente no bloqueio de uma enzima que acelera a divisão celular é o caminho do envelhecimento. Os estudos para testar a rapamicina em humanos visando o aumento da longevidade serão iniciados ainda este ano.
A rapamicina foi descoberta acidentalmente nos anos 1970, na Ilha de Páscoa, ao verificar­-se que evitava casos de tétano em quem andava descalço, apesar das perfurações nos pés — seu nome deriva da denominação aborígine do território chileno, Rapa Nui. A substância aumentou em 38% a expectativa de vida em camundongos e vai entrar agora na fase de testes clínicos com mulheres e homens. A rapamicina atua numa proteína chamada mTOR, que controla parte das respostas do metabolismo a situações de stress. O acúmulo de resíduos e proteínas defeituosas nas células cresce ao longo do tempo e estimula o envelhecimento. A droga age nessa estrutura “defeituosa”. Funciona como um disjuntor, que liga e desliga o mecanismo. Mas nada é prefeito: Não se sabe a dose ideal e, dependendo dela, os efeitos colaterais são significativos. Uma dose menor não dá resultado, e uma dose muito alta pode desencadear efeitos colaterais graves, incluindo dificuldade de cicatrização, pneumonia, maior vulnerabilidade a infecções bacterianas e câncer.
A pílula da juventude pode ser uma solução física, mas a jovialidade espiritual só depende de nós, e a única certeza que temos é que um dia vamos fazer a esperada “maquiagem definitica”.

Última Edição