Filhos que decidiram seguir a mesma profissão dos pais

Publicado em 11/08/2018 00:08

No dia a dia, os filhos se inspiram nos pais para seguirem nas carreiras profissionais

O advogado Matheus Augusto Parreira Duarte e a dentista Mariana Silveira de Araujo Semura seguem a carreira dos pais

Por Bárbara Scholl

Não são todos os pais que têm o privilégio ou a oportunidade de verem seus filhos seguirem a mesma profissão que a sua, e como amanhã será comemorado o Dia dos Pais, a equipe de reportagem de O Jornal entrevistou o advogado Candido Pereira Duarte Neto e o dentista Aureliano de Araujo Neto, que têm os filhos que seguiram os seus passos na profissão.
Candido Pereira Duarte Neto é advogado atuante há 32 anos, e seu filho, Matheus Augusto Parreira Duarte, seguiu os passos do pai e está na área há cerca de um ano e meio. Já Aureliano de Araujo Neto é dentista, e exerce a profissão há 60 anos e sua filha é Mariana Silveira de Araujo Semura e também decidiu ter a mesma profissão que o pai, atuando há 19 anos na área.
Candido Parreira relatou que não influenciou seu filho para que ele seguisse a mesma profissão. “Na verdade, eu nunca propus para o Matheus que fizesse o curso de Direito. Isso foi uma escolha natural dele, sem nenhuma interferência minha”, explicou.
Matheus Augusto comentou que antes de entrar para o curso de Direito, pensou em cursar História. “Até cheguei a pensar em fazer o curso de História, mas o de Direito sempre esteve na minha cabeça, por causa do meu pai, que há mais de 30 é advogado”, declarou.
Ele falou também que sempre viu o pai advogando, e, dessa forma, decidiu seguir a carreira. “Eu sempre pesquisei sobre a área jurídica e quando era adolescente já cheguei a trabalhar junto com ele e vi que eu gostava da profissão. Dessa forma, pude perceber que esta área iria me dar um futuro melhor”, relatou.
Matheus Augusto afirmou que se viu apaixonado pela profissão do pai quando tinha 14 anos. “Com 14 anos de idade, meu pai me levou para assistir a uma audiência, e lá eu pude conversar com os clientes dele e também com as suas testemunhas, e foi naquele momento que eu pude perceber que gostava e também levava um pouco de jeito para atuar nesta área. Foi naquela ocasião que eu percebi que gostava realmente disto”, salientou.
Candido Parreira comentou que não tem pai que não goste de ver seu filho seguir a mesma profissão. “Ao ver meu filho também cursando Direto e seguir os mesmos caminhos que o meu, foi uma alegria para mim, pois a educação que dei, o caminho que eu escolhi, também pode servir para o meu filho. Eu gostei muito e me senti honrado”, ressaltou.
De acordo com o Candido, atualmente pai e filho trabalham juntos, e os dois têm uma intimidade grande. “Nós nos conhecemos muito bem, e dessa forma o nosso serviço flui melhor, além da estrema confiança que eu tenho nele e também em seu trabalho”, afirmou.
Segundo Matheus Augusto, quando as pessoas o comparam com seu pai, por estarem na mesma profissão, ele se sente muito bem, pois seu pai é um advogado renomado em Santa Fé, estando há mais de 30 anos advogando, e quer um dia ter o mesmo reconhecimento que seu ele tem na cidade.
Matheus Augusto relatou ainda que a profissão de um pai influencia muito os jovens hoje em dia. “Aos jovens que ainda estão decidindo que curso fazer, devem escolher uma área que lhes agrade e que realmente queiram para o futuro. Não é porque o pai tem determinada profissão que eles também irão tê-la”, ressaltou.
Candido Parreira salientou que ter seu filho seguindo a mesma carreia que a sua é uma experiência muito bacana. “Os pais devem incentivar seus filhos a seguirem a mesma profissão que a sua, pois é fascinante ter o próprio filho ou filha trabalhando junto com você, pois é mais fácil para demonstrar a confiança, tornando uma experiência fantástica”, relatou.
Já o dentista Aureliano de Araujo Neto confessou que influenciou a filha Mariana Araujo para que fizesse o curso de Odontologia e seguisse sua profissão. “Antes da Mariana escolher o curso que queria, já na adolescência eu cheguei a pedir para que ela cursasse Odontologia. Ela não aceitou muito bem no começo, pois queria fazer outro curso”, explicou.
Conforme ele, quando Mariana Araujo contou que também iria seguir os passos do pai, o dentista ficou muito feliz. “Eu gostei quando ela decidiu também ser dentista, porque eu sabia que essa profissão é uma carreira que dá para a pessoa ter uma vida estável”, explicou.
Mariana Araujo relatou que o pai sempre quis que ela seguisse na carreira de dentista. “Meu pai influenciou totalmente para que eu fosse dentista, pois para ele esta profissão é boa. Dessa forma, eu fiz o mesmo curso que ele” comentou.
Ela pensou em fazer outros cursos, como, por exemplo, o de Direito, e salientou que “foi bom o meu pai ter me influenciado na escolha da profissão. Eu gosto desta carreia, pois é gratificante os agradecimentos que recebo de meus pacientes”.
Mariana Araujo pode perceber que estava mesmo apaixonada pela profissão depois de dois anos de formada. Ela relatou que foi depois desses dois anos que pode perceber que se encaixava na profissão, pois quando começou a sua carreira chegou a ter dúvidas se iria conseguir ter o mesmo sucesso que o pai teve.
Como a dentista, sempre teve adoração pelo pai e desde criança já frequentava a clínica dele, para poder vê-lo trabalhar, e comentava com ele que quando crescesse também iria ser dentista. “Desde criança eu falava com meu pai que eu ia ser dentista, mas na adolescência eu cheguei a ter dúvidas”, explicou.
Aureliano de Araujo, ao ser questionado por aquilo que os amigos falam dele por ter influenciado a própria filha a seguir a mesma carreira do pai, ele respondeu que “eu falo que eu influenciei e fiz de tudo para que ela estudasse, se formasse e estivesse exercendo essa profissão”, explicou.
Atualmente ao ver sua filha se inspirar nele é algo muito bom. “Ter influenciado minha filha nesta carreira foi algo bom que eu fiz, pois este tipo de profissão é muito boa e gratificante e tenho a consciência tranquila”, comentou.
Para Mariana Araujo, ter a mesma carreira e poder trabalhar junto com seu pai é uma grande experiência. “Fico feliz em poder ter seguido os passos de meu pai. Quando saí da faculdade tive algumas dúvidas no trabalho, pois só conseguimos aprender na prática, e eu estando ao lado dele, pude ter a oportunidade de tirar todas as minhas dúvidas e também consegui crescer. Hoje em dia, trabalhar com ele é recompensador, pois também, além de grande profissional, é um ótimo pai”, finalizou.

Última Edição