Black Friday em Santa Fé traz aumento nas vendas, mas não agrada a todos

Publicado em 1/12/2018 00:12

Por Lilian Castilho

Realizada posteriormente após o dia de Ação de Graças, nos Estados Unidos, por ser uma promoção americana, a Black Friday foi realizada na sexta-feira, dia 23, da semana passada em todo o Brasil, e em Santa Fé do Sul movimentou o mercado local, mas não agradou a todos.
Para os consumidores, a Campanha é bem legal, pois eles podem aproveitar os preços baixos para adquirirem produtos que esperam meses para conseguir comprar. Este é o caso, por exemplo, de Heloísa Martins que aguardou o dia da Black Friday para poder adquirir um notebook.
“Eu não valorizo muito essas promoções porque a gente sempre ouve falar que é falsa, pura enganação. Mas, dessa vez, eu comprovei o preço baixo de um produto que eu precisava e acabei adquirindo. Porém, em outros aspectos eu pude comprovar que os valores realmente não baixaram tanto, mas, fazendo a busca certa a gente achava uns valores legais em Santa Fé do Sul”, argumentou a consumidora.
Uma das lojas que entrou na campanha foi a Apolo, do empresário Felipe Correia. Ele disse que a Black Friday trouxe um crescimento de 5% nas vendas, um incremento importante para a loja. “Nós colocamos as polos com aproximadamente 30% de desconto, e os nossos clientes aproveitaram essa demanda”, disse.
De acordo com o empresário, por uma questão comercial acabou participando da promoção, mas acredita que essa época do ano não é a melhor para se promover tal campanha.
“Não faz sentido algum termos este tipo de campanha, até mesmo porque as empresas investem no estoque para o fim de ano e com esta ação os consumidores gastam o dinheiro antecipadamente. Acredito que a melhor maneira de aproveitarmos melhor a Black Friday seria promovermos em janeiro”, argumentou Felipe.
O empresário, também presidente da Associação Comercial e Empresarial de Santa Fé do Sul, disse que houve um aumento das pequenas e médias empresas na campanha da Black Friday e que isso é um fator relevante para o comércio e consumidores.
“Acredito que deveríamos transferir a campanha para janeiro, pois nesta época ela só prejudica o comércio, uma vez que as pessoas já compraram o que queriam e deixaram seu dinheiro comprometidos, com a Black Friday”, finalizou.

Última Edição