Devido ao coronavírus, Polícia Civil de Santa Fé passa a atender somente em regime emergencial

Publicado em 21/03/2020 00:03

Por Lelo Sampaio e Silva

A Polícia Civil do Estado de São Paulo, nos mesmos moldes do que sido feito pela Polícia Civil dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, dentre outros, bem como por outros órgãos da Persecução Penal, como o Poder Judiciário, Ministério Público, passou a adotar uma nova rotina para o atendimento de ocorrências, ou seja, serão apenas atendidas de forma presencial situações emergenciais.
Segundo o delegado e polícia de Santa Fé do Sul, Higor Vinicius Nogueira Jorge, o objetivo de estabelecer esta rotina emergencial para atendimentos e registros de ocorrência é o de proteger o cidadão mediante a pandemia do coronavírus. “Sabemos que o cidadão, ao se dirigir até uma delegacia de polícia, corre o risco de se contaminar pelo vírus Covid-19, o novo coronavírus. Pensamos também na saúde dos policiais que trabalham em suas unidades. Desta feita, serão priorizados somente atendimentos relacionados a mortes, desaparecimentos de pessoas, violência doméstica, violência contra crianças e adolescentes, estupro, cárcere privado, crimes que tenham sido praticados por pessoas que tenham sido presas em flagrante, e outros a critério da autoridade policial”, destacou o delegado.
Ainda segundo ele, o importante é que as pessoas tenham consciência de que estamos diante de uma pandemia e, por isso, cada cidadão deve fazer a sua parte.
“Sabemos que coronavírus contamina as pessoas de forma muito rápida e várias pessoas no Brasil já testaram positivo para o vírus. A tendência é aumentar muito o número de casos, daí a necessidade de as pessoas adotarem alguns procedimentos mínimos de segurança, como lavar bem as mãos com sabão, usar o álcool em gel, evitar apertar as mãos das pessoas, ou seja, evitar o contato físico ao máximo, inclusive o isolamento social, ou seja, se puderem, evitar sair de casa”, salientou.
Vale lembrar que poucos países conseguiram fazer com que tantas pessoas fossem contaminadas, exceto a Coréia do Sul, que tomou medidas de precaução e uma delas foi justamente a de as pessoas evitarem ao máximo o contato com as outras.
“Não se trata de alarmismo, e sim medidas necessárias, e é por isso que em muitas escolas estaduais, municipais e particulares não está havendo aulas, centros de convivência do idoso também serão mantidos fechados, dentre outros locais. Há relatos de que atualmente dois terço das contaminações que estão ocorrendo são feitas por pessoas que não apresentam os sintomas do coronavírus, por isso a necessidade de termos atenção redobrada”, pontuou doutor Higor.
De acordo com ele, ninguém deixará de ser atendido nas unidades policiais, porém, conforme a gravidade dos fatos de atos de polícia judiciária, os mesmos poderão ser postergados, e serão priorizadas ocorrências mais graves ou que a prova tenha que ser obtida imediatamente para que não seja perdida, como em casos de crimes que deixam vestígios e que se não for feita a perícia os policiais poderão perder toda a perseguição penal.

Última Edição