Especialista em Libras fala sobre a importância da inclusão desta língua na educação

Publicado em 12/01/2019 00:01

Por Lilian Castilho

A primeira-dama do Brasil, Michele Bolsonaro, trouxe à mídia nacional a proposta de novas comunicações, especificamente através da língua de sinais, Libras. Trouxe à tona a discussão por diversos órgãos de comunicação e redes corporativas, bem como, a sociedade em geral.
Em entrevista a O Jornal, o pedagogo, especialista em Libras e mestre em Educação pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Danilo Pessopane de Almeida, falou sobre a importância da inclusão do ensino desta língua à população brasileira como uma forma de agregar condições de comunicação e direitos iguais para todos.
O professor e também diretor da Escola Municipal “Professora Agnes Rodon Ribeiro”, disse que o ensino de Libras, a inclusão dessa língua no cotidiano das pessoas, é uma conquista diária e simultânea, porque ela acontece pelos militantes da causa surda e por aqueles que acreditam na Libras como um todo, como língua brasileira.
“Ela foi reconhecida como língua pela Lei 10.436 de abril de 2002 e regulamentada pelo Decreto 5626 de 2005. Não é algo tão novo assim, mas que aos poucos vai tomando lugar na sociedade”, explicou o profissional.
Também de acordo com o pedagogo, atualmente em todos os cursos que formam professores e fonoaudiólogos têm como obrigatoriedade a inserção da disciplina de Libras como componente do curricular para a formação docente. “Eu atuo no Unifunec – desde 2014 com a disciplina de Libras e iniciamos um projeto nas escolas municipais, algo inovador, onde inserimos para as crianças do ensino fundamental a disciplina Libras. E tem feito muita diferença”, explicou Danilo.
Atualmente as pessoas consideradas como público alvo da educação especial têm total apoio legislativo para estarem incluídas no ambiente escolar, como toda criança. Segundo Danilo, é interessante, pois a inclusão dessas crianças faz aprimorar os pensamentos e o conhecimento. O profissional acredita na inclusão, embora o Brasil ainda esteja a passos lentos para chegar no ideal.
Avanço
“A maior expressão cultural de qualquer povo está na língua. O ideal, para mim, é que todos nós no Brasil tivéssemos o bilinguismo, sabendo a língua portuguesa, mas que possamos aprender uma segunda língua, que seja a Libras. Pois nos preocupamos com as línguas estrangeiras, que também são importantes, mas a Libras é uma língua brasileira e seria interessante termos um conhecimento sobre ela, seja prática, conversação, assim como todas as línguas, é uma língua igual a outras. O ideal, para mim, mas ainda é uma utopia”, disse o professor.
O profissional disse ainda que o surdo vai a todos os lugares e não consegue ser atendido. Colocar em sala de aula todo mundo coloca, agora dar as mesmas oportunidades de avanço e crescimento, isso é inclusão.
“A importância da inclusão da Libras em todos os âmbitos, principalmente quando falamos em educação, é a base da mudança de qualquer sociedade. Eu acredito que a Libras deveria ser incluída, a priore, na educação, seguindo os passos e objetivos de cada etapa da formação para que tenhamos condições de nos comunicar com dinamismo e naturalidade com todos os cidadãos brasileiros.

Última Edição