Especialista fala sobre a portabilidade dos planos de saúde

Publicado em 8/06/2019 00:06

Por Lilian Castilho

Começaram a valer desde a segunda-feira (3), as novas regras de portabilidade de carências dos planos de saúde determinadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).
Beneficiários de todas as modalidades de contratação (individuais/familiares, coletivos por adesão e coletivos empresariais) poderão exercer a portabilidade de carências.
Segundo Mauri Carlos de Mattos, agente comercial autorizado do Bensaúde em Santa Fé do Sul, para ter direito à portabilidade é necessário ter no mínimo dois anos no plano de origem (três anos se tiver cumprido cobertura parcial temporária) para a 1ª portabilidade e em caso da 2ª portabilidade em diante, mínimo de um ano de permanência no plano de origem e de dois anos se o beneficiário mudar para um plano com coberturas não previstas no plano de origem.
“Para realizar a portabilidade de carências, o beneficiário deve consultar os planos compatíveis com o atual. As novas regras permitem aumentar a cobertura do plano, mas mantêm a exigência de compatibilidade de preço na maior parte dos casos. É possível consultar os planos compatíveis por meio de ferramenta disponível na página da Agência”, disse o agente.
De acordo com o profissional, o objetivo da resolução é estimular uma maior mobilidade no setor de planos de saúde, empoderando o consumidor para fazer sua escolha e contribuindo para um mercado mais dinâmico. A normativa colabora diretamente para estimular a concorrência no mercado de planos de saúde.
Com as novas regras estabelecidas pode aumentar a procura por portabilidade de carências em Santa Fé do Sul.
“De acordo com as regras antigas que era permitido apenas portabilidade de carências de beneficiários de planos individuais ou familiares e coletivos por adesão, agora com as novas regras, acredito que deverá ocorrer uma procura maior”, finalizou o especialista.

Última Edição