Estimativa é que a Prefeitura aplique mais R$ 5 milhões em recursos na Santa Casa

Publicado em 9/08/2018 00:08

Da Redação

A Administração Municipal da Estância Turística de Santa Fé do Sul não mede esforços e luta diariamente para manter abertas as portas da Santa Casa de Misericórdia.
No período de janeiro a julho deste ano, a Prefeitura já repassou para a Santa Casa o montante de R$ 3.147.599,83, dos quais R$ 1.080.000,00 são oriundos de recursos próprios, a título de subvenção; R$ 1.867.599,83 de recursos federais, mediante convênio para aquisição de serviços médico-hospitalares a ambulatoriais a toda a população, além do recurso de R$ 200 mil oriundo de emendas parlamentares destinadas ao Fundo Municipal de Saúde e repassadas para a Santa Casa.
A estimativa é de que até dezembro o repasse de recursos próprios da Prefeitura seja de R$ 1.800.000,00, ou seja, R$ 150 mil por mês, e o repasse do convênio do Teto da Média e Alta Complexidade de R$ 3.012.000,00, sendo de R$ 251 mil por mês, totalizando mais de R$ 5 milhões.
É importante ressaltar que a Constituição Federal determina que os municípios apliquem na Saúde no mínimo 15% das receitas de impostos e transferências. Os gastos com ações de Saúde em Santa Fé totalizaram nos primeiros sete meses do ano, o montante de R$ 15.490.538,14, dos quais R$ 6.754.245,56 são oriundos de recursos vinculados do Estado e União, e R$ 8.736.292,58 de recursos próprios (Tesouro), o que representa um índice de 21,12% no período.
Santa Fé do Sul já aplicou até este mês mais de 2,5 milhões além da aplicação obrigatória. Estes recursos foram aplicados na manutenção de todo o Sistema de Saúde do município, que conta atualmente com nove ESFs – Estratégias de Saúde da Família – e oito clínicas especializadas. No ano de 2017, o município aplicou 25,17% de receitas próprias em Saúde. Este ano a previsão é de que sejam aplicados mais de 26% de recursos do Tesouro na manutenção e custeio de todas as ações de Saúde do município são cerca de R$ 6 milhões além da aplicação mínima constitucional, já que os repasses dos governos Estadual e Federal são insuficientes para custear as ações de Saúde no município.
“Entendo a necessidade em ajudar a entidade e temos lutado incansavelmente para manter a Santa Casa de portas abertas”, afirmou Ademir Maschio.

Última Edição