Gordura Visceral pode trazer sérios riscos à saúde

Publicado em 9/02/2019 00:02

Por Lilian Castilho

O corpo humano acumula gordura principalmente como forma de reserva energética. Essa gordura pode ser acumulada embaixo da pele. A gordura subcutânea, aquela que deixa a barriga mais mole, os quadris e coxas mais arredondados, dentro do tecido muscular, contribui para fornecer energia durante a atividade física. Ela pode estar presente também na cavidade abdominal, perto dos órgãos, deixando a barriga grande e dura.
Esta gordura produz algumas substâncias que interferem no sistema endócrino e modulam o funcionamento do nosso corpo. Em sua grande maioria estão relacionadas direta ou indiretamente a processos que contribuem para aterosclerose, hipertensão arterial, resistência insulínica e diabetes tipo 2 , dislipidemias, ou seja, representam o elo entre obesidade, síndrome metabólica e doenças cardiovasculares, por isso, a gordura visceral é tão prejudicial.
De acordo com a nutricionista, especialista em Nutrição Clínica e Nutrição esportiva, mestre em obesidade pela Faculdade de Medicina da USP, Camila Duran, ela é mais comum em homem, já que eles, por determinação hormonal, têm maior tendência a acumular gordura no abdômen.
“Todos temos uma quantidade de gordura visceral, que serve para proteção dos órgãos, e ela é formada a partir do armazenamento da glicose (açúcar) em forma de gordura, ou seja, quando há muito açúcar circulando e ele está em excesso, seu corpo o transforma em gordura para reserva energética”, informou a profissional.
O problema é que quando se come em excesso, são consumidos exageradamente e diariamente muitos alimentos ricos em açúcar ou amido, que desregulam o metabolismo da glicose. E causando estresse nas pessoas pelo excesso de cortisol, aliado a algumas alterações hormonais, essa gordura aumenta e aumentam também as chances de varias doenças.
Soluções plausíveis
Para eliminar a gordura visceral são necessárias alimentação adequada e atividades físicas, retirando os alimentos refinados e ricos em açúcar como pães, bolos, bolachas, massas.
Também é indicado diminuir industrializados, que têm o açúcar escondido em sua composição com nomes que você não conhece, como xarope de glicose, frutose, açúcar invertido, maltose, sacarose, glucose, maltodextrina, dextrose, xarope de milho e alguns outros, por isso cuidado com os sucos concentrados, granolas e barrinhas de cereais.
“Algumas barrinhas têm mais de três tipos de açúcar; consumir pelo menos 300 gramas de frutas, legumes e verduras diariamente, pensando em frutas de cores diferentes e um prato de legumes e verduras no almoço e jantar; evitar frituras e alimentos gordurosos, escolher o quanto mais possível a velha e boa comida de verdade, quanto menos processado o alimento, melhor”, explicou Camila Duran.

Última Edição