Grilo toupeira tem destruído hortas e todos os tipos de plantações de Santa Fé

Publicado em 9/06/2018 00:06

Os pequenos insetos destroem plantações e são difíceis de eliminar

Por Daniela Trombeta Dias

Ele é bem pequeno, assemelha-se a um grilo comum e inofensivo, e é ‘parente’ dos gafanhotos. O grilo toupeira, mais conhecido como paquinha ou cachorrinho da terra, mede de 3 a 5 centímetros, e é um inseto que causa transtornos onde decide ‘morar’, pois vive na terra, cavando com uma força considerável, afetando assim brotos, folhas e raízes plantadas.
Muitos produtores, assim como horticultores, têm tido prejuízos por conta da paquinha. O casal Celso Vagas Barquero e Neusa Rodrigues Trivelato Barquero, que há muitos anos produz na propriedade deles vários legumes e verduras orgânicos, conta que o tal grilo fez muitos estragos na horta.
“Eles apareceram há uns dois anos quando plantamos alface na horta coberta e começaram a destruir os pés de alface. De um dia pro outro foram quase 600 pés. Agora está atacando a batata doce, couve folha, repolho, ou seja, tudo o que plantamos, resumindo, se espalhou por toda a propriedade”, disse Celso.
Segundo o biólogo Marcel Ferreira, as paquinhas escavam túneis logo abaixo da superfície do solo e criam câmaras, onde depositam seus ovos. “Uma fêmea é capaz de produzir cerca de 200 ovos, distribuídos em três ou quatro câmaras, do tamanho de um ovo de galinha. As paquinhas têm hábito noturno, quando saem para se alimentar. Elas se alimentam de matéria orgânica, o que inclui outros insetos, raízes e pequenas brotações, ou seja, amam horta e plantações de mandioca, abóbora e outros”, explicou ele.
Celso e Neusa contaram que duas receitas caseiras têm ajudado a diminuir a quantidade de insetos. “Misturamos detergente, água e cloro e jogamos na terra. Eles não aguentam e logo saem dos buracos, são muitos, é impressionante. Também utilizamos uma receita homeopática feita com o próprio inseto e pulverizamos nas plantações, o que tem diminuído em 50% a quantidade de paquinhas, mas aparentemente é um trabalho que não acabará. Muitos amigos meus, também produtores, enfrentam a mesma situação”, disse Neusa.
Prevenção
A prevenção da infestação consiste em melhorar a drenagem ou reduzir as regas do jardim durante a primavera. Assim as fêmeas do inseto tendem a migrar a outros locais para desovar, em busca de umidade. “Recomendo encharcar o terreno infestado com uma solução de água e detergente comum ou sabão. Esta medida deve ser tomada à tardinha ou à noite, pois a aplicação da solução sob o sol pode prejudicar as plantas. Se a infestação for muito grande, com muitas paquinhas saindo dos buracos, após a aplicação da solução, deve-se lançar mão de inseticidas para reduzir o problema”, informou o biólogo.

Última Edição