Na região, Santana da Ponte Pensa é a única cidade que aumenta investimento em saúde per capita

Publicado em 9/02/2019 00:02

Por Lilian Castilho

O Conselho Federal de Medicina – CFM – divulgou em seu site, no dia 21 de janeiro deste ano, um levantamento que apresenta um ranking inédito do gasto per capita, ou seja, por pessoa, em saúde no Brasil no ano de 2017, fazendo um comparativo com os últimos quatro anos.
De acordo com o portal do CFM, o ranking foi formado levando em consideração o valor médio aplicado pelos gestores municipais com recursos próprios em Ações e Serviços Públicos de Saúde – ASPS– , declaradas no Sistema de Informações sobre os Orçamentos Públicos em Saúde – Siops –, do Ministério da Saúde.
Analisando os dados apresentados, foi possível constatar que na região de Santa Fé do Sul, o município de Santana da Ponte Pensa foi o único que aumentou seus investimentos na área da saúde per capita.
Segundo os dados, Santana da Ponte Pensa, em comparação ao ano de 2016, passou dos R$ 1.442,00 para R$ 1.781,00 per capita, um aumento de 23,51% no investimento. Os demais municípios da região também apresentaram queda no investimento na área da saúde, de acordo com o mencionado levantamento do Conselho.
Santa Fé do Sul apresentou uma queda de 8%, saindo dos R$ 520,00 em 2016 para R$ 479,00 em 2017, considerando a população de 31.802 habitantes. Uma média ainda maior em comparação ao resultado geral da pesquisa.
Santana da Ponte Pensa ainda aparece como destaque na pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Medicina, como um dos 20 municípios, em nível nacional, com maior gasto per capita em Ações e Serviços Públicos em Saúde, no ano de 2017.
CFM
Cerca de 2.800 municípios brasileiros gastaram menos de R$ 403,37 na saúde de cada habitante durante todo o ano de 2017, segundo a análise do Conselho Federal de Medicina sobre as contas da saúde.
O levantamento mostra, por exemplo, que os municípios menores (em termos populacionais) arcam proporcionalmente com uma despesa per capita maior. Em 2017, nas cidades com menos de cinco mil habitantes, as prefeituras gastaram em média R$ 779,21 na saúde de cada cidadão – quase o dobro da média nacional identificada.
Além disso, os municípios das regiões Sul e Sudeste foram os que apresentaram uma maior participação no financiamento do gasto público em saúde, consequência, principalmente, de sua maior capacidade de arrecadação.

Última Edição