Poder Judiciário de Santa Fé do Sul alerta sobre estelionatos ocorridos na cidade

Publicado em 8/11/2018 00:11

Por Lilian Castilho

O juiz de Direito Doutor José Gilberto Alves Braga Junior, da 1ª vara Cível de Santa Fé do Sul, falou com a reportagem de O Jornal para explicar golpes que estão acontecendo e citou, ainda, que em Santa Fé do Sul alguns casos estão sob investigação.
A informação é dada em referência ao comunicado realizado pela Corregedoria Geral da Justiça, que alerta sobre os golpes praticados por criminosos que se identificam como funcionários do Tribunal de Justiça de São Paulo.
De acordo com o magistrado, os estelionatários enviam falsos ofícios, e-mails ou correspondências contendo identificação de unidades do TJSP, com números de telefones diversos dos ofícios, solicitando depósitos de custas ou outras taxas, para posterior levantamento de valores em dinheiro.
“Isso já vem acontecendo há algum tempo e o número de vítimas é crescente. Eles enviam as falsas notificações dizendo que as pessoas têm dinheiro para receber. O documento é trabalhado com o brasão do Estado de São Paulo, do Poder Judiciário e do Fórum, e solicitam que a pessoa entre em contato. Com isso, a vítima recebe todas as informações de como proceder, sendo induzida ao erro e caindo no golpe”, explicou o Juiz.
De acordo com Doutor José Gilberto, as pessoas que recebem essa notificação são as que de alguma forma já tiveram contato com os órgãos mencionados nas falsas notificações. Disse ainda que, como a vítima tem, supostamente, um valor alto para receber, ela acaba efetuando o pagamento para receber o que seria seu por direito.
“Os documentos vêm com informações referentes à CAPM – Central de Atendimento Psicossocial Multidisciplinar –, Itesp – Instituto de Terras do Estado de São Paulo –, Montepio, Montepio Geral, Caixa Geral e Seguradoras. As vítimas são viúvas, pois alguns tratam de pecúlio de militares, pessoas aposentadas, idosas e que têm alguma ligação específica com esses órgãos, o que facilita a execução do golpe”, salientou o juiz.
Doutor Braga Junior lamentou dizendo que as pessoas que depositam o dinheiro, acabam perdendo a quantia, porém orientou às vítimas a procurarem a Polícia Militar, fazer o Boletim de Ocorrência e transmitir o máximo de informações possíveis, para que as autoridades tenham materiais e conhecimentos o suficiente para as investigações.
“Orientamos, antes de tudo, à pessoa que receber qualquer modo de comunicação, que entre em contato com a justiça, por meio dos cartórios e do Fórum para saber mais informações, antes de qualquer atitude antecipada. Há no próprio site do Tribunal de Justiça um link, www.tjsp.jus.br/listatelefonica, com a lista telefônica de todos os números de todos os órgãos do judiciário paulista em que as pessoas poderão constatar as informações, ou ligarem no número de interesse para confirmar se as informações são verídicas”, finalizou o juiz de Direito Doutor José Gilberto Alves Braga Junior.

Última Edição