Santafessulense está entre os 10 mil pesquisadores mais influentes da América Latina

Publicado em 24/12/2021 00:12

Por Lelo Sampaio e Silva

O santafessulense Evandro Watanabe está entre os 10 mil pesquisadores mais influentes da América Latina.
Ele, que é professor associado da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, explicou para O Jornal que apesar de realizar pesquisa por mais de duas décadas nas áreas da microbiologia e saúde, nunca havia imaginado alcançar esse feito um dia. “Sinto-me honrado e cada vez mais responsável pela ciência que produzo e divulgo em parceria com diversos pesquisadores do Brasil e do exterior, pois a América Latina tem pesquisadores e grupos de pesquisas muito competentes e consolidados em diversas áreas do conhecimento. Penso que o comprometimento, a competência, a coletividade e a diversidade das parcerias de pesquisa firmadas ao longo de minha carreira acadêmica e profissional foram fundamentais para esse reconhecimento. Assim, agradeço a cada um dos docentes, pesquisadores, servidores técnico-administrativos, bem como alunos de graduação e pós-graduação das diferentes instituições de ensino e pesquisa, que participaram de forma direta ou indireta na construção desse processo”.
Sobre as metas para o ano de 2022, o pesquisador destacou que seus grupos de pesquisa têm trabalhado com diferentes estratégias para o enfrentamento de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (Iras) e pretende continuar avançando nessa temática do conhecimento em 2022. Dentre elas, o emprego da nanobiotecnologia, visando o desenvolvimento de formulações antimicrobianas com endolisinas produzidas por bacteriófagos líricos (vírus que infectam e destroem bactérias), bem como óleos essências de plantas. Ainda, a realização de uma multianálise da eficácia da higiene das mãos e uso de luvas por profissionais da saúde no enfrentamento da Covid-19.
“Minha inspiração e motivação como pesquisador sempre foi minha eterna orientadora, professora Izabel Yoko Ito (in memorian), da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, que abriu as portas do seu laboratório de microbiologia e minha mente e coração para a pesquisa. Um ser humano fantástico que me ensinou a verdadeira essência e importância da pesquisa”, disse ele.
Sobre os maiores desafios encontrados para ser um bom pesquisador, Evandro destaca que são a aprendizagem com os erros ou insucesso de uma pesquisa, bem como a manutenção dos membros dos grupos de pesquisa unidos e motivados, compactuando com os mesmos preceitos éticos e de objetivos.
“A curiosidade, inquietude e perseverança são palavras-chave para forjar um verdadeiro pesquisador, que também necessita de oportunidade, reconhecimento e investimento pessoal e financeiro em educação, ciência e tecnologia para ‘ser fecundado, nascer, crescer e florescer’. Nesse sentido, expresso minha sincera gratidão aos meus pais e mestres de Santa Fé do Sul por permitirem e fazerem parte dessa minha conquista coletiva em permanente construção”, finalizou o pesquisador Evandro Watanabe.

Última Edição