Vigilância Sanitária analisa água usada em rave em Ilha Solteira

Publicado em 11/01/2020 00:01

Equipes das vigilâncias sanitárias do município de Ilha Solteira e do estado de São Paulo recolheram amostras de água e alimentos que estavam sendo comercializados e consumidos em um festival de música eletrônica que foi realizada entre os dias 27 de dezembro e 2 de janeiro em uma propriedade rural de Ilha Solteira. Cerca de 2,5 mil pessoas participaram do evento.
Mais de 100 pessoas foram atendidas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Fé do Sul e outras dezenas no pronto-socorro de Ilha Solteira. Os sintomas eram de intoxicação alimentar, desidratação, vômito, diarreia e náuseas. Nenhum caso mais grave foi registrado.
Todas as pessoas que precisaram de atendimento médico ficaram em observação, mas tiveram alta depois de serem medicadas.
Um vídeo que está circulando nas redes sociais mostra um pulverizador, usado geralmente para passar veneno em lavoura, sendo usado durante a festa para jogar água nos participantes.
A água desse equipamento também foi coletada para análise. Todas as amostras foram encaminhadas para o Instituto Adolf Lutz na última segunda-feira (6).
Segundo a Prefeitura de Ilha Solteira, a organização da festa tinha todos os alvarás legais e a maioria dos participantes era de outras regiões do país.
Em nota, a organização do evento informou que prestou todo o atendimento necessário, que aumentou o número de funcionários, ambulatórios e equipes de emergência no local quando os primeiros casos apareceram, e que acredita se tratar de uma intoxicação regional, não na festa, já que funcionários da empresa que não se alimentaram nem beberam água no local também passaram mal.
Os donos da propriedade disseram que a água do poço artesiano é limpa, usada diariamente por eles, e que a bomba que dispersou água no público foi esterilizada, e nunca tinha sido usada com veneno. Com informações do G1.

Última Edição