O QUE NÓS VALEMOS PARA O OUTRO?

Publicado em 4/04/2020 00:04

Hoje, após um amigo dizer que viria me buscar e ter feito com que eu o esperasse por 40 minutos (enquanto disse que eu esperaria 10), passei a pensar: qual o nosso valor para o outro?
Quem me conhece o mínimo de tempo sabe que sou impreterível, que sou imediatista, que se alguém me fala que é para eu esperar às 15h, eu estarei pronto antecipadamente às 14h30, mas entendo que ocorram atrasos e que nem tudo é como a gente quer, mas tem que ter consideração com os “amigos”, com quem te espera, te aguarda. Com quem te guarda.
Tenho para mim que amigo não é aquela pessoa que te serve “às vezes”. Pra mim amigo é pra todas as horas, independente de situação ou companhia, independente da conveniência, do interesse.
Segundo os Gregos, o amor Philia é o que melhor descreve o amor de amigo, de irmão. Philia é um amor sincero, platônico e mutuamente benéfico. Aristóteles, filósofo grego do período clássico, classifica no amor Philia o amor dos amigos, aliás, o amor “dos amigos para a vida toda”. Philia é o amor de alguém que faz o bem por causa própria, independente de como quem recebeu o gesto irá se importar.
Aí eu lhe pergunto: como andam suas amizades? Em qual base ela vem sendo construída? E a recíproca, é verdadeira?
Amizade é coisa séria. Coisa que demora a ser cultivada e, se bem cultivada, dura pra vida toda.
Infelizmente, ou felizmente, somos seres sociáveis que se relacionam com outros seres e assim, criamos raízes. Comecemos a fazer das outras pessoas seres importantes para nós. Tornam-se parte de nós.
Mário Sérgio Cortella fala que uma pessoa importante para nós é aquela que importamos para dentro do peito. Que são tão queridas a ponto de doer em nós o que fazem a elas.
Por fim, ainda sem resposta, espero conseguir enxergar melhor quem me trata com o carinho e cuidado que eu trato. Que eu consiga enxergar as benesses da amizade sem que a falta de consideração fale mais alto, pois, se não há consideração há amizade?

Última Edição