A IMPORTÂNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO E A SUA LIBERDADE!

Publicado em 12/10/2019 00:10

Quando falamos sobre servidores públicos sempre haverá dois lados. Aqueles que dizem admirar a pessoa, pois esta se submeteu e passou em certame público, ou aquele que enxerga tal profissional como “quem trabalha menos e ganha mais”.
Infelizmente tal profissional não é valorizado e, por vezes, tentam utilizá-lo para fins eleitoreiros. Por menor que seja a função do funcionário público, este é um agente na construção social. Diferentemente daqueles que carregam cargos políticos, de confiança ou temporários, o servidor público permanece desempenhando sua função, tornando-se peça importante à boa gestão da máquina pública.
Com a Constituição Federal de 1988 cria-se a figura de um novo servidor público, vez que garante ao mesmo, direitos e deveres individuais, assim como a outro cidadão. Portanto, um servidor mais liberto, seja de estereótipos ou de mordaças. Desde então pode o servidor se expressar com prudência e ética, sem ter que ficar amedrontado com seu “chefe”.
Noutra semana trouxe a este semanário, em minha coluna, a informação e a crítica de que uma funcionária estaria em grupos defendendo o seu grupo. E quando digo grupo, não digo o grupo dos funcionários públicos, mas sim seu grupo político, aqueles que a colocou lá. Naquela ocasião não quis, de forma alguma, criticar os funcionários como um todo, pois sei que não se pode generalizar. Mas que fique como observação aos demais para que possam identificar quem trabalha contra a vossa causa!
Por fim, após recordar a importância do funcionário para todos nós e a importância deste ser livre de amarras para servir, crítico como sou, gostaria de trazer alguns fatos que me sinto no dever de demonstrar.
No dia 9 deste mês me consultei em consulta previamente marcada na ESF Centro I, onde fui muito bem tratado e atendido, seja pelo médico e igualmente pelo corpo de funcionários do local (de verdade, muito obrigado!). Vale ressaltar que agendei tal consulta no dia 18 de setembro. Cheguei a ESF às 8:20 horas, dez minutos antes do horário marcado, e esperei até às 9:15 horas para ser atendido. Observei que existem somente seis consultas liberadas por dia para agendamento na agenda utilizada pelas agentes. Apenas seis agendamentos prévios por dia. Vale-se dizer que existem os famosos “encaixes” realizados diariamente nos postinhos, àquelas pessoas mais urgentes.
Pois bem, após juntar essas informações, enviei três questionamentos à chefe de Gabinete da Prefeitura, Josi Zuri, a qual agradeço pela prontidão e eficiência, que foram: 1) se os médicos cumprem jornada de trabalho com horário estabelecido, e se sim, como é feita a fiscalização. Responderam que são submetidos à jornada (não informaram de quantas horas) e que o controle é através de livro ponto. Lembro-me que quando Ortogamis Bento, à época secretário da Saúde, ao anunciar a implantação de ponto eletrônico e biométrico para os médicos, o mesmo foi rechaçado e saiu do governo. 2) há número de agendamentos máximos? Responderam que sim, que são feitos vinte agendamentos/dia e, no dia, encaixes. Será que é verdade?! Eu vi com meus próprios apenas seis espaços para preenchimento por dia. Liguei no postinho e me informaram que são 16 agendamentos por dia + encaixes… 3) qual o tempo médio de espera para uma consulta? Responderam: cinco a 20 dias. Essa última, respondam vocês, usuários: em seu postinho essas informações procedem? O tempo de demora é lógico? Deixo claro que não ataco os funcionários, mas a gestão. É preciso desburocratizar e utilizar a inteligência. Quem perde nisso tudo, nessa ingerência, é o povo. Cada postinho tem sua demanda, e, unicamente por isso, deve se planejar segundo sua realidade.

Última Edição