A cidade que eu amo

Publicado em 15/12/2018 00:12

A cidade que eu amo tanto hoje é motivo de muito orgulho.
Os meus amigos de outras urbes ou de outras estâncias estão deveras invejosos da minha cidade.
Queriam porque queriam morar num paraíso, num encanto de lugar, paradisíaco, maravilhoso, pelas suas belezas naturais.
O nosso grande lago inspira ecologia, beleza, paz e deslumbramento.
As nossas araras canindé enfeitam o céu azul da Estância, assim como os tucunarés dão vida à orla do lago.
Mas se você, cidadão da Terra do Sol, quiser manter limpa a sua cidade, comece varrendo diante de sua casa. Se não quiser uma cidade suja, não deposite lixo na urna.
Vamos nos lembrar que na nossa cidade o que conta é a nossa reputação; nas outras, as nossas roupas.
Não devemos deixar que os sentimentos mais genuinamente humanos logo se desumanizem na cidade.
Acredito que na nossa querida cidade o objeto principal da política é criar a amizade entre membros da comunidade, por isso que em vez de dar a um político as chaves da cidade, seria melhor trocar as fechaduras.
Assim, vamos andar, porque parar é covardia e olhar para a cidade do passado é ignorância.
Cuidado que quem semeia vento na minha cidade vai pra rua e bebe a tempestade.
Na cidade, a pressão da opinião pública é capaz de fazer o que a lei não consegue.
Muitas vezes uma cidade inteira paga por um homem mau.
Mais importante que conhecer uma cidade é saber se perder nela.
O homem pode viver 100 anos na cidade sem perceber que já está morto há muito tempo
Mas o bom de cidade pequena é que, se eu não sei o que eu estou fazendo, a outra pessoa sabe.
Debaixo do céu há uma coisa que nunca se viu, é uma cidade pequena, sem falatórios, mentiras e bisbilhotice.
Neste interim é mais fácil conquistar uma cidade inteira que o amigo ferido.
Lembre-se que cada passo, por menor que seja, você deixa algo para trás, seja um grão de areia, seja uma cidade inteira.

Última Edição