Amigos ou “amigos”, eis a questão

Publicado em 16/12/2017 00:12

Você ter milhões de amigos, como o Rei Roberto Carlos, agora é possível pelo facebook.
Mas o bom mesmo é você ser amigo simplesmente e nada mais, como diria Fernando Lobo na canção, “Chuvas de verão”.
E ter “Amigos para siempre”, de acordo com Andrew Lloyol Webber e Don Black, compositores desta música, símbolo da amizade em todo mundo.
O grande compositor mineiro, Milton Nascimento, em “Canção da América” exalta o valor daquele amigo guardado ao lado esquerdo do peito.
Duro era para Chico Buarque, que na época do seu exílio, proclamava – “Meu caro amigo”, por favor, mande notícias do Brasil…
Sempre pensamos que temos “Amizade sincera” e que o nosso amigo será um “Companheiro meu”, como Renato Teixeira enfatizou nas suas canções.
Mas tudo isso é uma ilusão sem fim.
A gente em vez de ter milhões de amigos, tem uns quatro…
Nada de amor platônico, somos amigos simplesmente e nada mais.
Pelo menos temos amizade sincera e companheirismo, porque onde a gente está o outro vai atrás.
O duro ser amigo para sempre é a nossa expectativa de vida. Um vai nos deixar daqui uns anos, já que o lado esquerdo do seu peito vai entrar em pane total.
Os outros, se continuarem na boemia, acho que também vão mais cedo, até mesmo o mais jovem deles.
Já pensou eu ficar sozinho no mundo, sem os meus grandes amigos?
Com eles eu não precisava ter inimigos. Imagina você, se de repente, eu arrumar uns quatro inimigos?
Acho melhor morrer também!

Última Edição