Ao infinito e além

Publicado em 18/09/2021 00:09

Existe um interessante exercício de Física que diz o seguinte: o que acontece quando dois objetos de infinita massa e infinita aceleração batem de frente?
Enorme explosão, diria quem não entende patavina de Física.
Na verdade, o que acontece é que um atravessa o outro, fisicamente.
O fato é que o infinito se presta muito bem para esse tipo de teoria.
No infinito cabe tudo, tudo pode acontecer.
Até duas linhas paralelas se encontram no infinito.
Essa teoria das forças infinitas se chocando tem me inspirado nestas últimas semanas.
Tudo por que é uma excelente metáfora para o Brasil atual.
Um infinito esforço para separar quem presta de quem não presta na política para serem afastados do seu e do meu futuro.
Forças infinitas que se chocam.
Por que infinitas?
Porque o lento processo de moralização do nosso país deixou de ser uma simples queda de braço entre o povo versus políticos corruptos.
Na grande ordem das coisas, no tempo infinito, o vetor de mudança atual aponta para uma sociedade que compreendeu que é necessário quebrar o paradigma da velha política.
No infinito, seremos um país melhor.
Concordamos.
Esperar um futuro infinito para que o Brasil saia dessa lama não é uma ideia animadora.
Apesar dos cientistas prometerem que podemos viver eternamente para sermos testemunhas oculares desse novo Brasil varonil.
Dada a quantidade de facínoras que não param de aparecer na mídia, estou convencido que não vamos – você e eu – assistir ao final desse filme.
O que me faz lembrar de outra teoria do infinito.
A teoria dos infinitos macacos.
Aquela que diz que se você deixar um número infinito de macacos digitando em um número infinito de computadores, eventualmente um deles escreverá uma obra de arte.
Hipoteticamente algum macaco mais sortudo vai randomicamente escrever uma obra de Shakespeare.
Afinal infinito é infinito, não se pode discutir.
Que Deus tenha pena de nós!

Última Edição