Cachorro é cachorro, gente é gente

Publicado em 16/10/2021 00:10

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, defendeu o inquérito em tramitação que apura a produção de notícias falsas e ofensas contra magistrados da Corte e declarou que tem por dever tomar medidas preventivas à ocorrência de um delito. “É preferível evitar que o cão morda”, disse.
Segundo Eduardo Afonso, jornalista da Gazeta de Notícias de Carazinho, pessoas não sabem muito bem que cachorro é cachorro e gente é gente.
Cachorro tem que ser tratado como cachorro, com respeito à sua fidelidade, ao seu caráter, ao seu amor e sua pureza.
Cachorro não finge, não trai, não julga, não mente.
Cachorro a ama pelo que você é, seja lá quem você for, milionário ou indigente.
Cachorro é emocionalmente inteligente, não guarda mágoas. Perdoa sem que você tenha que implorar perdão.
E, uma vez perdoado, o perdão é permanente.
Por que iríamos tratar um ser assim como se fosse gente?
Gente a gente também não deve tratar como cachorro.
Porque não é qualquer um que merece carinho na barriga, cafuné na orelha, demonstração de amor sem motivo aparente.
Gente não morde. Mas há outras formas de se cravar o dente, no coração, no bolso, na alma.
Por vezes com veneno de serpente.
Gente fofoca, calunia, beija enquanto inveja, e odeia, sorridente.
Cachorro obedece, respeita, se submete.
Gente ama com ressalvas, faz promessas que não cumpre.
Só cachorro, como nossa mãe, é que ama incondicionalmente.
Por que tratar como cachorro, quem fica ao seu lado até a morte, alguém que a abandona de repente?
É totalmente sem noção e incoerente, inconstitucional, tratar gente como se fosse cachorro e tratar cachorro como se fosse gente.
Cachorro é um ser superior em forma de amor que, em qualquer circunstância, merece a nossa proteção.
Gente a gente conta nos dedos quem merece o nosso respeito, nosso amor e nosso perdão.
Ministro Fux, Vossa Excelência jamais deveria confundir o povo dizendo que, ao amordaçar o cão, ele nem vai latir e muito menos morder.
Até cachorro tem o direito de morder e de latir!

Última Edição