Coluna Laboratório

Publicado em 16/05/2020 00:05

Entenda o que é o pico da pandemia

Com o avanço da pandemia de covid-19, um tema recorrente é quando São Paulo chegará ao “pico” de novos casos da doença. O pico é o dia em que o número de pessoas infectadas é igual ao número de pessoas curadas.
A partir dele, a quantidade de pacientes recuperados começa a superar o número de novos casos e a doença para de avançar. Segundo o professor Mark Laurie, da Universidade de Saúde Pública de Brown, nos Estados Unidos, trata-se do ponto no qual é registrado o maior número de casos.
Especialistas afirmam, no entanto, que é difícil precisar uma data específica, ou quantas pessoas serão infectadas e curadas nesse dia. E também, que dificilmente o pico ocorre num único dia, sendo mais próximo de um “platô”.
É possível, no entanto, estimar quando será o pico. O Ministério da Saúde prevê que o mês de maio será a pior fase da covid-19 no País, alavancada pelos Estados do Sudeste, com maior densidade populacional, principalmente São Paulo e Rio de Janeiro. O Brasil em geral, no entanto, terá um desafio extra nos meses seguintes.
Segundo documento do ministério, o período entre maio e junho é quando o País já costuma enfrentar alta de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Em 2019, o pico das hospitalizações ocorreu entre 27 de maio e 2 de junho. A preocupação da pasta é a sobreposição das duas curvas em 2020, com o novo coronavírus como complicador.
As internações por SRAG no Brasil já estão muito acima da média neste ano. Elas dispararam a partir de meados de março, o que coincide com o momento em que casos de covid-19 começaram a ser identificados no Brasil (o primeiro é de 26 de fevereiro).
SRAG é uma definição que vale para casos graves de vários tipos de infecção, como as também causadas pela gripe sazonal e outros vírus respiratórios. Como a única novidade no radar é o Sars-CoV-2 (o novo coronavírus), acredita-se que essa alta nas internações seja motivada por ele.
A precisão para determinar o pico do número de casos é prejudicada, porém, pela dificuldade nas notificações. Atualmente, entre a chegada de um paciente grave numa unidade hospitalar e a confirmação do diagnóstico de covid-19, passam-se cerca de 10 dias – tempo precioso para tomada de novas medidas, caso sejam necessárias.
O governo do Estado de São Paulo vem apontando que as medidas de isolamento social estão conseguindo diminuir a velocidade do aparecimento de novos casos, apesar de alguns cientistas ainda considerarem ser cedo para ver resultados.

Última Edição