Época da ditadura ….

Publicado em 10/02/2018 00:02

Na época da chamada “ditadura”…
Podíamos namorar dentro do fusca até a meia-noite sem perigo de sermos assaltados.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos ter o INPS como único plano de saúde sem morrer a míngua nos corredores dos hospitais.
Mas não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos comprar armas e munições à vontade, pois o governo sabia quem era cidadão de bem, quem era bandido e quem era terrorista.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos paquerar a funcionária, a menina do bar ou a recepcionista sem correr o risco de sermos processados por “assédio sexual”.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Não usávamos eufemismos hipócritas para fazer referências a raças (ei! negão!), credos (esse crente aí!) ou preferências sexuais (fala! sua bicha!) e não éramos processados por “discriminação” por causa disso.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos tomar nossa cerveja estupidamente gelada no fim do expediente para relaxar e dirigir o carro para casa, sem o risco de sermos jogados à vala comum da delinquência e ser preso por estar “alcoolizado”.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos cortar a goiabeira do quintal, empesteada de taturanas, sem que isso constituísse crime ambiental.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos fazer serenata e depois ir a qualquer bar ou boate, em qualquer bairro da cidade, de carro, de ônibus, de bicicleta ou a pé, sem nenhum medo de sermos sequestrados ou assassinados.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos cantar a música do Chico Buarque composta pelo Julinho da Adelaide.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos matar passarinho com bodoque ou estilingue sem sermos intimados pelos direitos dos animais domésticos e silvestres.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Podíamos trabalhar em qualquer ofício sendo menor porque não existia este tal de ECA.
Mas, não podíamos falar mal do Presidente…
Hoje a única coisa que podemos fazer…
É falar mal do Presidente!
Que droga!

Última Edição