Estresse em tempo de quarentena

Publicado em 25/04/2020 00:04

O estresse durante o tempo da quarentena desencadeia uma reação química capaz de alterar o equilíbrio interno do nosso organismo que está ligado a quatro sistemas do organismo humano, o esquelético-muscular, o imunológico, o gastrointestinal e o cardiovascular.
A reação física pode ser determinada pelo cansaço (físico e psicológico), gripe, gastrite, dores no peito, palpitações, e outras manifestações clínicas.
O principal fator que provoca o estresse em tempo de isolamento é a preocupação sobre a saúde e os impactos econômicos que causam no cotidiano das pessoas. O ideal é quebrar a rotina fazendo outras atividades, como ler, estudar e praticar exercícios físicos, além de cuidar da sua alimentação. A alimentação deve ser balanceada, rica em carboidrato e proteína, e pobre em gordura. Doce deve ser evitado, só ingerido de vez em quando. O fast-food e as frituras devem ser substituídos por pratos leves, como frango ou peixes, acompanhado de salada, por exemplo. Evitar as bebidas alcoólicas e o fumo.
Agitação, insônia, descontentamento com as questões do dia-a-dia e dificuldade para resolver simples problemas podem ser sintomas de um estresse.
Devemos tomar todos os cuidados para o estresse não se tornar uma doença caso estiver somado a outros fatores de risco, como cigarro, sedentarismo ou má alimentação, podendo então provocar distúrbios cardiológicos. Além disso, como já foi citado, pode causar manifestações clínicas, como gastrite (devido à falta de apetite), dores no peito, palpitação (provocada pela descarga de adrenalina), e outras.
Nos tempos de pandemia, prevenir o estresse não tem nenhum segredo, basta que se tenha uma boa qualidade de vida através de uma alimentação saudável, atividade intelectual e exercícios físicos diários, além de beber água para sua hidratação e tomar sol, importante para a produção de vitamina D, componente importante para sua imunidade natural na defesa contra o novo coronavírus.

Última Edição