João Angeloni

Publicado em 20/06/2020 09:06

O nosso herói de hoje é seo João Angeloni. Foi um dos pioneiros que contribuiu para o progresso e desenvolvimento da nossa Estância. Nasceu em São José do Rio Preto no dia 12 de fevereiro de 1936. De família humilde, os pais, Deolinda Souza, do lar, e Luiz Angeloni, carroceiro, formavam o clã com os irmãos Antônio, in memoriam, Álvaro, Roberto e Mário. Contador formado, João casou-se com a professora Therezinha Arantes e, em 1958, o casal veio para Santa Fé do Sul para trabalhar no Escritório do Zé Guimarães. Em dezembro daquele ano nasceu o primogênito Júnior. Angeloni fundou a primeira Escola de Datilografia que se localizava na Rua Quatorze, entre a Nove e a Onze. Em 1960, comprou a fábrica de bebidas que ficava na esquina da Navarro de Andrade com a Rua Vinte e Dois. A Fábrica de Bebidas Angeloni foi muito famosa na região. O refrigerante laranja, o guaraná Júnior, a soda limonada e a cotubaína fizeram grande sucesso no gosto da população. Conta Irineu Curti que certa vez a valorosa equipe do Guarani, do Alipinho Faísca, foi para São Paulo participar da Copa Arizona de Futebol. Chegando lá, num barzinho próximo da Estação da Luz, Genivaldo, conhecido por Boizão fez uma exigência pitoresca: – “Ô fera, você tem aí o guaraná da júnior?” Também Roberto Angeloni, o próprio irmão do nosso herói, quando começou a jogar racha no Tênis Clube, em vez levar vinho Angeloni, pinga Porto Tabuado, Ferro Quina, Catuaba, Jurubeba ou Fernete, levou dois engradados de sodinha da júnior para o pessoal. Não sei porque de uma hora para outra o rapaz ficou conhecido como Roberto Água Doce. Na área social, Angeloni foi fundador do Santa Fé Tênis Clube, participou do Rotary Club e da Loja Maçônica Progresso. Na política foi convidado a ser candidato único a prefeito. Dona Therezinha dormiu primeira dama, e João, prefeito da cidade, mas quando amanheceu havia pelo menos oito candidatos: Jerônimo de Paula, Manoel Silveira Morales, Dr. Nuno da Lobo D’Eça, Elídio Martins, Alberto Pacheco, Flauzino Marques, Aloísio Casella e Tomaz Monte Vicente que, com Dr. Celso Xavier de vice, foi eleito prefeito da época. Depois de tantas aventuras, apesar de ser homem discreto, íntegro e amigo, se despede dos seus entes queridos, sem alarde, mas com muita saudade da personagem que foi. É com muito orgulho no coração que prestamos esta singela homenagem juntamente com os filhos João Angeloni Júnior, Rosangela Cristina, Tania Cristina, Luís Antônio (Lolô), os netos Luís Henrique, Rodrigo, Bruna, Ana Carolina, Juliana, Guilherme, Thaísa, Camila, Luís Jr, João Luís, Maria Luíza, Luís Fernando, Isabela, Gabriela e os sete bisnetos.

Última Edição