Moro X Lula

Publicado em 13/05/2017 00:05

Hoje a “Coruna” vai irradiar o maior clássico futebolístico de todos os tempos – o jogo pelo Campeonato Brasileiro da Lava Jato.
Recorde de público nas arquibancadas com grande número de torcidas organizadas que vieram de todos os cantos do país, apesar da partida ter sido marcada num dia de semana.
Como diria o saudoso locutor Fiori Gigliotti, da Bandeirantes:
– Bola no círculo central do tapetão verde do Monumental de Curitiba.
– O juiz apita seu instrumento de trabalho, abrem-se as cortinas e começa o grande espetáculo.
– Bola com Moro, inicia a jogada no meio da cancha e já dá uma caneta no seu adversário Lula, que cava uma falta e começa a fazer cera.
– O juiz imediatamente manda o catimbeiro se levantar e mete um cartão amarelo.
– “Que qui é isso otoridade”, retruca o pipoqueiro e pede o vermelho.
– Dura lex sed lex, pra você só triplex, responde com austeridade Sua Senhoria.
– Com a viola no saco Lula finge que não é com ele. Num lance de pinga na área dá de coco que a criança vai beijar o véu da noiva.
– Antes de comemorar a entrada da redonda onde a coruja faz o ninho, aguenta coração, o bandeirinha já marcava seu o impedimento.
– Lula, o moço que veio de Caetés recebe a bola, domina, finta um, finta dois, evita o terceiro ladrão, é fogo, mas sai liso pela linha de fundo.
– Crepúsculo da etapa complementar…
– Fecham-se as cortinas e termina o espetáculo.
– A decisão do confronto de gigantes vai ficar para a próxima partida, com direito à prorrogação e cobrança de pênaltis.
– Neste dia, um time vai morrer na praia, do Guarujá.
– Agora não adianta chorar torcida brasileira!

Última Edição

primeira

primeira