Odalto, 81 primaveras

Publicado em 11/11/2017 00:11

No ano que vem, teremos eleições para Presidente da República, Governadores, Senadores, Deputados Federais e Estaduais. Diante do quadro político que está à nossa frente, confesso, assim como milhões de brasileiros conscientes em tomar uma decisão honesta, que estou confuso em quem votar nas próximas eleições. Porque os que estão no poder hoje, deveriam ser todos, ou quase todos, varridos do contexto político brasileiro. Aí vem a dúvida. Quem escolher para depositar nosso sagrado voto? Está em nossas mãos, eleitores, o poder desta decisão. Não se deixe levar por promessas falsas, pois quem vem fazendo troca a troca é corrupto e se você, eleitor, compactuar com isso, será corrupto também.
Na questão de saber votar, certa vez um ex-presidente do Brasil, o general João Batista Figueiredo disse: – Um povo que não sabe nem escovar os dentes não está preparado para votar.
Se os porcos pudessem votar, o homem com o balde de lavagem seria eleito sempre, não importa quantos porcos ele já tenha abatido no recinto ao lado.
A escolha é não quem traz mais benefícios e sim quem proporciona menos prejuízos.
As pessoas têm uma idéia diferente dos políticos, até votar neles.
O povo só presta na hora de votar. Fato, e contra fatos não há argumentos!
Para mudarmos uma Nação temos que mudar os políticos e para mudar os políticos temos que saber votar.
Não me assusta o fato de muitas pessoas não terem um candidato para votar, a maioria não sabe eleger nem com quem dividir a própria vida…
Votar é igual bater um pênalti. Todo mundo sabe o que fazer, mas alguns insistem em inventar. Se faz o gol comemoram e são consagrados craques, se erram, arrependem e são taxados como burros…
Se Ministro da Pesca não sabe pescar e palhaço de circo pode governar o país, porque é que eu sou obrigado a votar?
Prefiro votar em um idealista, ainda que não consiga realizar muitos projetos, a um grande sabe tudo, que de tanto saber, sabe muito bem como me enganar. Por essa razão prefiro o novo, o cabaço.
Nos dias de hoje, justificar o voto é mais democrático que votar, pois não temos mais candidatos honestos.
Saber votar é a estranha arte de escolher entre o esterco e o adubo.
Tente escolher bem na hora de votar. Já que você não pode ver o futuro, dê uma olhadinha no passado.
Amanhã meu medo é votar certo, no ladrão errado.
Como um país dito democrata obriga seu povo a votar?
Votar é igual tomar remédio ruim. Tem que tomar pra ver se melhora.
Agora vou votar nas putas. Cansei de votar nos filhos dela…

Última Edição

primeira

primeira