Parábola dos peixes

Publicado em 30/11/2019 00:11

Era uma vez um pescador muito bom que resolveu tirar umas férias de quinze dias de sua companhia de peixes.
Antes de viajar deu para seu companheiro cinco varas de pescar. Para um outro, duas e para o terceiro, uma.
Ao chegar da viagem foi logo perguntando aos seus companheiros o que eles haviam feito durante a sua ausência.
O primeiro respondeu: – Com as cinco varas que o senhor me deu, pesquei peixes que deram para comprar mais cinco caniços novinhos. Aí eu doei para as pessoas e ainda ensinei as mesmas a pescar, como o senhor. O segundo também, animado, disse: – Comprei duas carretilhas novinhas com os peixes que pesquei e também ensinei outras duas a pescar como o patrão. O terceiro relatou que por medo do senhor bravo e exigente, guardou a dita cuja no cofre a fim de preservar a marca da etiqueta pregada no objeto.
Assim, o bom pescador elogiou o trabalho dos dois primeiros companheiros e os convidou para serem seus futuros sócios na companhia. Mas, por outro lado, criticou o companheiro que não usou o seu único instrumento de trabalho para ajudar as pessoas, chamando-o de vagabundo, além de excluí-lo de uma possível parceria.
Moral da história: Quem valoriza a marca do objeto em vez do trabalho comunitário não merece o reino dos céus.

Última Edição