Sandrinha

Publicado em 12/10/2019 00:10

A nossa heroína de hoje é Sandra Mara Ferreira, a nossa querida Sandrinha, filha da professora Nilda Galbiatti e do cirurgião dentista e professor Adacyr. Nascida aos 17 de agosto de 1960 em Vila Ventura, Ibirá, pelas mãos do médico Theófilo de Abreu Alvarenga, mas registrada em Santa Fé do Sul. Era a segunda filha da família constituída pelo primogênito Amadeu Carlos, engenheiro elétrico e do caçula Celso Luis, funcionário aposentado do Banco do Brasil.
A primeira professora de Sandrinha foi Arlete Amaral, na Escola Agnes Rondon Ribeiro. No Iepim concluiu o ensino fundamental e fez o magistério. Eu tive o privilégio, junto com a minha esposa Lúcia, de ministrar aulas para ela.
Sandrinha foi colunista deste semanário de 82 a 84 quando substituiu Ana Keyla Abud que havia se despedido da “Ciranda”, a coluna social de O Jornal, na época. Na administração de Edinho Araújo trabalhou como atendente na Delegacia de Ensino e na Prefeitura Municipal. Foi coordenadora da Creche Recanto Feliz e Treze de Maio na gestão do prefeito Itamar Borges.
De súbito perdemos Sandrinha, uma preciosidade de menina, uma personagem do nosso cotidiano, que hoje ficou menos alegre sem a presença dessa cidadã cativante e comunicativa. Gostava de baladas e festas e, como carnavalesca que era, certo ano foi coroada Rainha do Carnaval do Tênis Clube. No seu aniversário de 50 anos comemorou com amigas e amigos no rancho às margens do lago ao som do famoso conjunto musical Rogério e Márcia, de Aparecida do Taboado, do qual era empresária. A bonita amizade da nossa heroína com a Gabi, filha de Mara e Cláudio da Stylus, nasceu de maneira espontânea e se intensificou com o tempo. Grande internauta das redes sociais no Facebook, Sandrinha, solidária sempre, cumpriu o seu desejo de ajudar as pessoas doando suas córneas.
Está doendo muito dizer-lhe adeus, mas nem essa despedida eterna levará você do nosso coração!

Última Edição