CABEÇA PARA A SAÚDE

Publicado em 13/06/2020 00:06

Quando éramos crianças tínhamos medo da mula acéfala (sem cabeça).
Hoje temos acéfalos ‘instruídos pelas redes sociais’, sem inteligência alguma e, pior, se acham sabidos. Nunca saíram da mediocridade e a mediocridade nunca os abandonarão, infelizmente. São pós-graduados com toques de dedos nos celulares.
Desprezam o estudo e a ciência.
Para ser amigo do acéfalo é prudente manter uma distância necessária.
Todavia, o segundo sentido de acéfalo é que interesse mais para o Brasil hoje: sem chefe.
Estamos ‘sem chefe’ no Ministério da Saúde.
O planeta e também o Brasil em pandemia e o nosso mandatário não nomeia um chefe para a pasta mais importante nos dias de hoje, exatamente a da Saúde.
Noutro tempo uma ‘pedalada’ deu impeachment. O descaso com a saúde, em um momento de pandemia, é motivo maior para a responsabilização do inquilino do Poder Federal e consequente impedimento para o exercício do Poder em Brasília.
Hoje, nosso medo já não é mais de mula sem cabeça que perambulava em noites de lua cheia, mas de homens sem cérebros que, ‘parados’ nos celulares e com estudos em ‘fake news’, idolatram a ignorância, o preconceito e abominam a ciência.
A Saúde não pode ficar sem cabeça.

Última Edição