ESCANHOLATO (companheirismo)

Publicado em 20/01/2018 00:01

Três Fronteiras sempre foi representada esportivamente pelo time da ‘Sociedade Esportiva’. Por vários anos a família Marconcini era quem comandava a agremiação. Desconfio que a origem do nome tenha inspiração no Palmeiras, que tem igual denominação: ‘Sociedade Esportiva’.
Depois esse time se fundiu com o ‘Juvenil Três Fronteiras’ e nasceu então o Três Fronteiras Esporte Clube.
Na minha infância o lateral esquerdo da ‘Sociedade’ era o Escanholato.
Depois fui reencontrá-lo, eu atuando como jogador, ele como massagista no time do ‘Três Fronteiras Esporte Clube’.
Profissionalmente o Escanholato sempre foi marceneiro.
Viveu Três Fronteiras como ninguém.
E deixou uma marca característica que deve ser ressaltada.
Não era de ‘grandes amigos’, mas o seu companheirismo era invejável.
Vale dizer: seja como jogador, massagista ou marceneiro sempre, em cooperação, criava ligações profundas e sinceras, sem pretensão, e com todos se comunicava a atuava com dedicação inigualável.
O companheirismo de Escanholato com as pessoas era por ele bem elaborada e ele nunca falhava, sempre presente, você podia contar. Não se tratava apenas e tão somente de viver com os outros, mas ‘Escanha’ convivia para os outros, pois existia, por parte dele, colaboração e esforço para o conjunto para participar do jogo, para fazer as massagens ou no seu trabalho de carpinteiro.
O seu espírito de equipe deve ser seguido, hoje, por todos!

Última Edição