GRATIDÃO

Publicado em 12/01/2019 00:01

No Brasil, o então Embaixador Joaquim Nabuco foi quem sugeriu o ‘Dia de Ação de Graças’ ao Presidente Gaspar Dutra.
Esse dia de ‘Ação de Graças’ tem importância para muitas religiões e de modo especial para o Cristianismo.
O Protestantismo, àquelas religiões ligadas a ética puritana e calvinista esse dia tem relevância para se reconhecer todos os dons e graças recebidas de Deus e também aos católicos.
Mesmo aos que não creem em Deus, é a oportunidade de reconhecer e dizer dos dons e benefícios recebidos.
Em primeiro lugar, o homem precisa reconhecer os benefícios recebidos; em seguida, é preciso que agradeça e, por fim, é importante que retribua.
Caminho errado é minimizar os dons recebidos e valorizar só o seu esforço pessoal.
Isto porque a pessoa que quer ser mais do que é, não é e nem pode ser grata.
A supervalorização do ‘eu’ refletida no ‘elogio desordenado’ de suas próprias qualidades faz com que a pessoa se ache acima do bem e do mal. É o ‘legibus solutus’.
A gratidão como virtude para ter significado é preciso que a pessoa comece por reconhecer a própria limitação.
Reconheça que recebeu gratuitamente a vida e os dons.
Aceita que sozinho não é ninguém, daí decorre a necessidade de respeitar aos outros seres humanos, para quem o talento tem uma função primordial, a de servir os semelhantes.
No início de 2019 e desde já é bom relembrarmos da gratidão, a verdadeira virtude.

Última Edição