O SENTIDO DA VIDA

Publicado em 23/12/2017 00:12

O sentido da vida humana depende muito da natureza da pessoa e o fim que ela escolhe para ela mesma.
Queiramos ou não – quem estuda as ciências humanas – pertencem ao ‘mundo moral’ – ético – no sentido que interessa aos estudiosos do Direito, modelando e ordenando a vontade dos homens.
E ainda nos sentidos acima delineados muitos retribuem com o mal aquilo que recebeu gratuitamente na vida. Pior erro.
Quantos dons são dados e nós achamos que é algo ‘intrínseco em nosso ser’ ou que se decorre exclusivamente do ‘nosso esforço’, da nossa ‘inteligência’. Na minha área especificamente quantos advogados, promotores, juízes são os piores mercenário em suas profissões…ou que desviam a finalidade e o sentido da vida.
Aquele que fica em volta de seu próprio umbigo achando que tudo aconteceu em função de seu próprio esforço, equivoca-se, pois a história vai lhe cobrar mais cedo ou mais tarde.
Isto porque a pessoa que quer ser mais do que é sucumbe a gratidão, maior virtude de um homem e conveniente lembrar nessas festas de finais de ano que devemos, antes de tudo, agradecer.
Coitado daquele que – num egocentrismo – valoriza desordenadamente as suas próprias qualidades, colocando acima do bem e do mal e também se coloca, via de regra, acima da lei. Centra-se como critério de verdade somente na sua inteligência ou no seu interesse ou ainda no seu ressentimento.
Óbvio que se deve amar a si próprio, mas não é – e não pode ser – o primeiro valor.
Isto porque o primeiro passo gigantesco do ser humano é reconhecer a sua própria limitação e aceitar que sozinha a pessoa humana não é nada. Aceitar-se como ser limitado abre o caminho para o ser humano desenvolver as suas potencialidades. Renovada a gratidão nesse fim de ano que, em 2018, verdadeiramente haveremos de desenvolver as potencialidades, principalmente as virtudes. É verdade: o ser humano é limitado em todos os sentidos!

Última Edição