TRABALHO REMOTO

Publicado em 11/07/2020 00:07

A Covid-19 modificou a forma de trabalho e criou o trabalho remoto, proporcionando alguns fatos inusitados.
Em uma sessão virtual do Tribunal de Justiça do Mato Grosso, o procurador de justiça deixou o microfone ligado e acabou soltando alguns ‘puns’ durante a reunião.
O comediante Fábio Porchat estava em um bate papo virtual com o presidenciável Guilherme Boulos, na sexta-feira da semana passada, quando então a mulher do humorista apareceu incidentalmente seminua, apenas com uma toalha na cabeça, durante a transmissão. Boulos estava falando, quando parou para dar risada e alertar: ‘alguém passou de toalha aí atrás’. Aos risos, o humorista responde a sua esposa: ‘todo mundo te viu. Cara, e ela ainda tá pelada aqui’.
Um dos participantes de uma videoconferência com o presidente Jair Bolsonaro, o Ministro Paulo Guedes, e um grupo de empresário apareceu tomando banho durante a conversa, aparentemente havia se esquecido de desligar a câmara do aparelho que usava. Também participava da reunião Paulo Skaf que disse: ‘ô, tem um colega no último quadrinho que está pelado’. O ministro da economia também afirmou: ‘tem um caro tomando banho aí. Tá peladão’.
Estamos diante de um ‘novo normal’ que veio para ficar e teremos que nos adaptar as situações novas que, doravante, serão consideradas normais.
Em meio ainda a pandemia teve um padre de Itajuba, MG, que, ao utilizar o aplicativo do Facebook para transmitir as missas ao vivo, acionou acidentalmente os filtros do aplicativo e divertiu seus amigos ao aparecer durante o vídeo vestido de esportista, lobo e até mesmo com o bigode roxo. Após ser informado, o padre se desculpou e disse que acionou sem ver e disse ‘Deus quer também um pouco de alegria’.
Por outro lado, algumas profissões não terão como ser exercidas remotamente ou à distância: o pedreiro não tem como construir a casa senão presencialmente.
Disse um amigo meu: tudo poderá ser remoto, mas boteco tem que ser presencial.

Última Edição