VENDILHÕES DA PÁTRIA

Publicado em 9/11/2019 00:11

O valor de um produto deve ser avaliado pelo custo-benefício.
Muitos produtos têm custo elevado para o país, levando-se em conta o investimento nele realizado como valor da matéria-prima, produção, circulação e venda.
Veja o exemplo da produção de soja, pois devemos avaliar seu custo-Brasil desde o desmatamento, aquisição de maquinários, transporte por rodovia e ferrovia etc.
No caso o petróleo do pré-sal, oriundo da camada de sal soterrada no fundo do mar que fez às vezes de tampão, propiciando que se tornassem petróleo os organismo microscópios que se depositaram no mar primordial pelo afastamento dos atuais continentes africano e sul-americano, o Brasil é pioneiro em sua extração.
Pois bem, a tecnologia de sua extração é eminentemente brasileira.
Escrevo este artigo, porque li no semanário coirmão de Jales que aquela cidade poderá receber até R$ 3 milhões de recursos advindos do pré-sal, decorrentes da arrecadação do leilão. Num primeiro momento é de festa!
‘Leiloar’ nossas riquezas não é algo novo. Assim ocorreu com a ‘Vale’ e hoje o rio não é tão doce assim. O acidente em Mariana revela a ganância dos ‘empresários-abutres’.
No caso do petróleo do pré-sal, no governo anterior a proposta era que 75 % do royalties do pré-sal fosse para a educação e 25% para a saúde e nada de entreguismo.
Enfim, é muito dinheiro. Agora, faremos o leilão e haverá uma distribuição da ‘cessão onerosa’ para os Municípios, Estados e para a União e aí depois a festa acabará. É como se vendesse as galinhas dos ovos de ouro.
Os árabes se tornaram independentes e aluiu um pouco com o imperialismo americano com uma política nacional de petróleo e com a criação da Opep.
No caso brasileiro, a mamata para as empresas estrangeiras vai além do valor a ser ganho com a extração de petróleo. Elas vão ganhar a tecnologia de extração em águas profundas.
Existem muitos militares das Forças Armadas que são nacionalistas e patriotas, mas os que rodeiam Bolsonaro não são. Pelo contrário, são vendilhões da Pátria, nada amada!

Última Edição