Publicado em 24/02/2018 00:02

Tópicos da Semana – Edição de 24/02/18

Por Mário Aurélio Sampaio e Silva.
Charge: Leandro Gusson (Tatto).

Eu amo, e sujo Santa Fé

Se, porventura, alguém chegar a realizar uma pesquisa perguntando se os moradores amam Santa Fé, provavelmente a grandessíssima maioria responderá que sim. Proporcionalmente a este ‘amor incondicional’, pelo menos por parte da grande maioria dos cidadãos, está o descuido para com a cidade. Muito se cobra da Administração quanto à limpeza de lotes, terrenos, praças e demais logradouros, mas a triste conclusão que se pode chegar é que poucos cuidam do que afirmam amar, uma vez que descartam insensatamente, sem a menor culpa mesmo, os mais diversos tipos de lixo nas vias públicas.
Nós pagamos, eles limpam…

Há uma visão distorcida de manter-se bem cuidado o que é de propriedade particular e menosprezar, sujar, destruir e vandalizar o que é de uso comum. Deixar lixo na beira do rio, nas calçadas, sarjetas e em terrenos baldios tem se tornado cada vez mais comum e achar que as varredeiras e os coletores de lixo são os que devem se ocupar com essas tarefas é a nossa cara, a cara do Brasil.
As varredeiras e coletores

Santa Fé, com seus quase 33 mil habitantes, tem uma população que descarta 33 toneladas de lixo por dia, ou seja, 1 kg por habitante diariamente. Entretanto, muitos desses materiais são lixos jogados nas sarjetas e vias públicas do município. São os mais variados tipos de restos, resíduos ou imundícies que vão desde absorventes, preservativos, passando por fraldas e agulhas descartáveis, carcaças de peixes e até mesmo gatos e cachorros mortos. Esta cidade chama-se Estância Turística de Santa Fé do Sul, cujo Governo Municipal, através do setor de limpeza, mais precisamente por intermédio das 22 varredeiras e os diversos coletores se empenha arduamente para manter a cidade limpa. Se não fossem os porcalhões, ahhhh, como tudo seria mais fácil e melhor para todos.
Outros profissionais

Não podemos nos esquecer, é claro, do trabalho realizado pelos operadores de Caminhão Pipa, roçadores, coletores de resíduos sólidos e dos zeladores de praças e parques do município, que fazem a varrição desses locais, lavagem dos banheiros e organização dos cestos de lixo.
Descendo a lenha

Muitas vezes, esse mesmo cidadão que literalmente joga seu lixo nas vias públicas e que não ensina seus filhos que depredar o patrimônio público é contra a lei, ao ver um banco de uma praça quebrado, capim nos canteiros (haja roçagem com tanta chuva), terrenos e lotes sujos são os que logo postam nas redes sociais mostrando o “descaso da Administração”. Sentam no próprio rabo para denegrir a imagem de sua própria cidade.
O provérbio

Pois é, o macaco esconde seu próprio rabo, porque imagina que, assim, ninguém vendo o seu nada irá reparar. Esquecem, entretanto, que tanto aprontam que um dia, cedo ou tarde, acabam esquecendo-se da própria esperteza e deixam o rabo à mostra, ou, quem sabe, as marcas de sua cupidez.
Dados

De acordo com o setor de limpeza, para que haja todo este trabalho na cidade aproximadamente 100 sacos de lixo de 100 litros são consumidos diariamente, 37 quilômetros são percorridos, 68 mil litros de água são necessários diariamente para a lavagem da cidade e pelo menos 85 vassouras são gastas por mês.
Problemas pontuais

O canteiro central da Avenida José Eduardo Casquel Proni é infelizmente conhecido por sua grande quantidade de fezes de animais. Já no final da Avenida dos Pinheiros, nota-se o descarte de móveis, restos de limpeza de quintal e de TVs; as vicinais sofrem com o descarte inadvertido de lixo doméstico e entulho de construções e na Rua Nelson Agostinho (após o Posto de Saúde Celso Xavier), percebe-se uma grande quantidade descarte de restos de peixe, e, como se não bastasse toda essa lambança, nas caçambas disponíveis nas orlas verifica-se o descarte de lixo doméstico, restos de peixes e outras carnes, além de móveis, material de construção e TVs. Já na estrada de terra seguindo pela rua de acesso a Ficcap, aos fundos, vários pneus, restos de lixos de quintais e móveis são jogados também naquele local.
No mundo

Em Paris, a multa para quem joga lixo nas ruas é de cerca de R$ 110,00. É proibido também urinar nas ruas, bem como deixar de recolher as fezes dos animais de estimação. Jogar lixo nas ruas é crime nos Estados Unidos e pode ser punido com multa e até mesmo prisão em diversos Estados. Em Nova York, a multa é de até R$ 580,00. Infratores também podem pegar dez dias de detenção.
No mundo II

Considerada a cidade das multas, Cingapura pune em quase R$ 2.000,00 quem joga lixo nas ruas. Infratores também podem ter que cumprir trabalho comunitário. Em Londres, a multa de cerca de R$ 280,00 para quem jogar lixo, como bitucas de cigarro, cartões de crédito e comida, foi estendida para quem cuspir nas ruas. Urinar nas ruas também é proibido.
No mundo III

Em Hong Kong, jogar lixo nas ruas ou em propriedades privadas sem consentimento do dono pode ser punido com multa de R$ 150,00, e ainda três meses de prisão. Jogar lixo (incluindo bituca de cigarros e chiclete) nas ruas de Seul, capital da Coreia do Sul, é considerado uma infração leve e resulta em multa de até R$ 200,00.

Última Edição