Tópicos da Semana – Edição 17/06/17

Publicado em 17/06/2017 00:06

Por Mário Aurélio Sampaio e Silva
Charge: Leandro Gusson (Tatto)

Seguuuuuuuuuuua, peão!!!
Finalmente, depois de tantos desacertos, na próxima quarta-feira, dia 21, começará a 44ª Ficcap – Feira Industrial, Comercial, Cultural e Agropecuária – de Santa Fé do Sul. A festa terminará no dia 25, domingo. Serão cinco noites de portões abertos. A festa, realizada de forma democrática, pretende atrair turistas dos mais diversos municípios, seja pela qualidade de shows, seja pelo rodeio profissional.

Só isso?
Muitos por aí estão relinchando a respeito da grade de shows, e como é difícil agradar a todos, mesmo com a vinda de artistas de renome. Outros, ainda haverão de murmurar com relação ao preço cobrado pelos alimentos servidos nas barracas assistenciais, mesmo que os valores não sejam exorbitantes. Outros, mais extremistas, ainda irão dizer que o dinheiro “irá embora da cidade”, e olha que o valor arrecadado pelas barracas servirá, e muito, como vem sendo, para os custeios e demais manutenções das referidas entidades assistenciais do município.

Para o povo
A 44ª Ficcap será essencialmente uma festa popular e deverá ser, sem sombra de dúvidas, uma das melhores, haja vista o empenho de seus organizadores que estão literalmente botando a cara a tapa, depois de tantos desacertos a respeito de qual empresa ficaria responsável pela realização do evento.

Mas eu vou…
O engraçado é que os oposicionistas de sempre, aqueles que dizem que se fosse esse ou aquele prefeito a festa seria melhor, acabarão indo à festa e, no fundo irão dizer que o melhor mesmo foi ter havido a feira, até porque a cidade “não pode deixar de realizar a Ficcap”…vai entender…

Crise
Evidentemente que não será uma festa de grandes proporções, até porque o momento é de forte crise econômica, embora muitos sairão de lá satisfeitos pelo simples fato de terem tido a oportunidade de assistir a shows e rodeios de boa qualidade, e o que é melhor, sem gastar um centavo. O momento não é de muitas gastanças!!!

Caiu do cavalo
Muita gente na cidade afirma ter “caído do cavalo” por ter votado em um determinado deputado Estadual. A esperança era de que ele fizesse muito mais por Santa Fé, mas o fato é que pouco tem feito, a não ser receber “seu bando” em seu gabinete, pessoas que babam ovo pelo referido parlamentar.

Quanta doçura!!!
Todo mundo que propõe uma ação perante o Poder Judiciário espera ganhar. Ninguém quer perder uma peleja. O PSDB é autor da ação que objetivava cassar Temer e Dilma. Perderam Ação, por 4 a 3, mas o fato inusitado é que o PSDB não pretende recorrer. Das duas uma, ou valeu a nova orientação do Código de Processo Civil, que prevê a conciliação como nova filosofia de solução de conflitos ou houve um duvidoso ‘acordo’ político, ou os mais podres conchavos políticos estejam realmente imperando nos altos escalões do Brasil. Triste tempo!

Triste
A primeira vista fica a impressão de que o PSDB decide dar apoio a Temer para salvar Aécio e cortar a aposentadoria do povo. O brasileiro, tão incrédulo, está vivendo de decepções, dia após dia.

Me engana
O fato é que em reunião na noite da última segunda-feira, dia 12, três dias depois do julgamento no TSE – Tribunal Superior Eleitoral – que livrou o presidente Michel Temer (PMDB) da cassação, a cúpula do PSDB decidiu permanecer na base aliada do Governo Federal. O encontro aconteceu na sede nacional do partido, em Brasília.

Na panelinha…
“O PSDB não fará nenhum movimento agora no sentido de sair do governo. A decisão foi de que os ministros não sairão do governo”, declarou o senador José Serra (SP), que afirmou que a reunião foi realizada em total “clima de harmonia”. “Se for o caso, em outro momento se analisa”. O povo brasileiro está com vontade de mandar a grande maioria dos políticos irem catar coquinho, isso sim.

E viva o Temer…
Depois que o Tribunal Superior Eleitoral enterrou o processo contra a chapa Dilma-Temer e o PSDB congelou a ideia de desembarcar do governo, reina no Palácio do Planalto a tranquilidade. A calma do presidente e dos ministros palacianos contrasta com a ebulição do noticiário. Temer e sua equipe avaliam que o mandato presidencial já não corre riscos. Um auxiliar do presidente declarou que não há a menor hipótese de o procurador-geral da República Rodrigo Janot conseguir na Câmara os 342 votos de que precisa para abrir uma ação penal contra o presidente da República no Supremo Tribunal Federal.

Última Edição