Tópicos da Semana – Edição de 16/05/20

Publicado em 16/05/2020 00:05

Por Lelo Sampaio

A Escolha de Sofia
O que temos visto recentemente é que os atuais dirigentes brasileiros, aliás, os militares parecem estar fazendo “A escolha de Sofia”. Lembrando que tal expressão invoca a imposição de se tomar uma decisão difícil sob pressão e enorme sacrifício pessoal, como a vista no filme homônimo de 1982 que valeu a Meryl Streep o Oscar de melhor atriz. A trama dirigida por Alan J. Pakula, a partir do romance de William Styron, conta a história de Sofia, uma polonesa que, sob acusação de contrabando, é presa com seus dois filhos pequenos, um menino e uma menina, no campo de concentração de Auschwitz durante a II Guerra. Um sádico oficial nazista dá a ela a opção de salvar apenas uma das crianças da execução, ou ambas morrerão, obrigando-a a terrível decisão.

Cientista
Entende-se que o escalão mais alto do poder deste país tem optado, ao que parece, pelo genocídio dos pobres e idosos ao reafirmarem a posição negacionista frente a pandemia da Covid-19. Ficaram algum tempo titubeando entre a postura pela saúde do povo, favorável ao isolamento social preconizado pelo ministro da Saúde, e a postura do chamado isolamento vertical (só idosos e grupos de risco) defendida pelo “cientista” Jair Messias Bolsonaro. Este último defendendo a saúde do sistema financeiro e do mercado, já comprometido em todo o planeta pela crise.

Caos
No entanto, ninguém, muito menos os militares, quer ser responsabilizado pela mortandade de brasileiros. O problema do Brasil é que muitas pessoas não foram notificada por Covid-19 justamente porque não temos testes suficientes e muita gente está morrendo em casa. E o que se vê agora é o verdadeiro caos epidemiológico.

2019
Quem recebeu as primeiras informações sobre o novo coronavírus, ainda no final de 2019, não poderia imaginar que cinco meses depois o número de infectados no mundo chegaria a 4.200.000 no mundo e 300.000 mortes em todo o planeta. No Brasil, as primeiras ações ligadas à pandemia da Covid-19 começaram em fevereiro, com a repatriação dos brasileiros que viviam em Wuhan, cidade chinesa epicentro da infecção. Em 15 dias, o país confirmou a primeira contaminação, quando a Europa já confirmava centenas de casos e encarava mortes decorrentes da Covid-19.

Repatriação
No dia 9 de fevereiro, trinta e quatro brasileiros que viviam na cidade chinesa de Wuhan, epicentro do novo coronavírus, foram repatriados. Duas aeronaves da Força Aérea Brasileira aterrissaram no Brasil com o grupo. Eles ficaram de quarentena por 14 dias na Base Aérea de Anápolis, em Goiás e no dia 26 de fevereiro foi confirmado o primeiro caso de coronavírus no Brasil. O paciente foi um homem de 61 anos que viajou à Itália, e deu entrada no Hospital Albert Einstein no dia anterior.

Segundo caso
Vinte dias depois, ou seja, no dia 29 de fevereiro, o Brasil confirma o segundo caso importado de coronavírus. O paciente foi um homem de 32 anos, residente em São Paulo, que foi atendido no Hospital Israelita Albert Einstein na véspera, depois de chegar da região da Lombardia, na Itália. Ele usou máscara durante o voo.

Outro caso
No dia 4 de março é confirmado mais um caso de coronavírus no Brasil. Um homem, residente em São Paulo, esteve na Europa, inclusive na Itália, nos 14 dias anteriores. Foi o terceiro caso de coronavírus. No dia 5 de março, sobe para 8 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil: 6 em São Paulo, 1 no Espírito Santo e 1 no Rio de Janeiro. Também foi registrada a primeira transmissão interna no país.

Primeira morte
Em 16 de março sobe para 234 o número de casos confirmados de coronavírus no Brasil e no dia seguinte o Ministério da Saúde é notificado da primeira morte por coronavírus no Brasil. A vítima foi homem de 62 anos, com histórico de diabetes e hipertensão, que estava internado na rede de hospitais Prevent Senior.

Transmissão Comunitária
No dia 20 de março o Ministério da Saúde declara reconhecimento de transmissão comunitária do novo coronavírus em todo o território nacional e no dia 23, sobe para 1.620 o número de casos confirmados do novo coronavírus, desta vez em todos os estados da federação.

Um mês
No dia 16 de abril, completa um mês a primeira morte pelo novo coronavírus no Brasil. Vítima era um homem de 62 anos que estava internado num hospital da Rede Prevent Sênior, em São Paulo. Desde então, número de óbitos chegou a 1.952.
O total de casos confirmados de Covid-19 em todo o Brasil é atualizado para 30.891. Do total, 11.568 estão em São Paulo, estado que registra 853 mortes.

Respiradores
No dia 19 de abril São Paulo ultrapassa mil mortes causadas pela Covid-19. Estado tem 1.015 óbitos e 14.267 casos confirmados do novo coronavírus e no dia 26, Governo dá início à entrega de respiradores para a rede pública de saúde e o Ministério da Saúde registra 61.888 casos de coronavírus no Brasil e 4.205 óbitos. Em 24 horas, foram 3.379 novos casos e 189 novos óbitos.

Dia 30
No último dia do mês, dados das secretarias estaduais de Saúde registram 5.513 mortes e 79.685 casos da doença e no dia 1º de maio, balanço do Ministério da Saúde, sempre divulgado com dados coletados até as 14h, registra 91.589 casos do novo coronavírus. O número de óbitos chega a 6.329.

Crescente
Oito dias depois o Brasil supera a marca de 10 mil mortos decorrentes do novo coronavírus e no dia 12, secretarias de Saúde registram 11.656 mortes por causa do novo coronavírus. Número de casos confirmados da Covid-19 no Brasil chega a 169.626.

Última Edição