Tópicos da Semana – Edição de 18/11/17.

Publicado em 18/11/2017 00:11

Por Mário Aurélio Sampaio e Silva.
Charge: Leandro Gusson (Tatto).
 
De quem são as mangas…
 
O final de ano está próximo e, com ele, várias atrações, como as luzes e enfeites natalinos, bandas, água abundante, e os mais diversos tipos de locais para passear a beira do rio. Entretanto, quem passa pelas vicinais de Santa Rita D’Oeste, Três Fronteiras e Santana da Ponte Pensa vê nos pés de mangueiras plantadas pelos Poderes Públicos uma abundância de frutas. Porém, em Santa Fé do Sul, na vicinal que liga nossa Estância Turística ao município de Santa Clara D’Oeste, observa-se que aqueles saborosos frutos já foram todos colhidos.
Quem os levam
 
Muitos afirmam que as margens das vicinais pertencem aos Poderes constituídos e todo ano se repete a mesma história. Dizem que algumas pessoas pegam essas frutas deliberadamente, promovendo a venda das mesmas.
Patrimônio
 
Ainda de acordo com alguns, as mangueiras, como acreditam se tratar de um bem público, incorporaram-se ao patrimônio turístico da região, pois as frutas das mesmas são saborosíssimas quando apanhadas diretamente nos pés, fato constatado pelas pessoas que nos visitam nos finais de ano.
Negligência
Assim, para alguns, o que se constata é certa negligência do Poder Público na defesa de seus interesses. Perde a população, os visitantes, o turismo. Nesta semana, o guarda de um banco em Santa Fé disse ter visto certa pessoa, de caminhão, colhendo as frutas. Imediatamente ligou para a Guarda Civil Municipal, que lhe respondera simplesmente que nada tinha a fazer com relação ao ocorrido.
O que diz o dono
 
Em contrapartida, o fato é que o proprietário da área onde as mangueiras se localizam doou uma parte de seu sítio há pelo menos 30 anos para a Prefeitura de Santa Fé para que a vicinal fosse construída, entretanto até o momento ele não possui a escritura definitiva da nova área.
Adendo
 
A reportagem esteve no local e observou inclusive diversas carcaças de peixe jogadas naquele espaço, e é justamente o proprietário do espaço, o mesmo que efetuou a doação de parte do terreno à Prefeitura, que limpa e retira todo lixo o acumulado.
Sem a documentação correta
 
Assim sendo, como o referido proprietário ainda não possui a nova documentação, tendo apenas a antiga, que diz ser ele o proprietário do espaço onde os pés de mangas estão plantados, parece que ele, como “dono”, roça o local, poda as mangueiras e, por conseguinte, faz o que bem entender com os frutos que lá colhe.
O que diz a Prefeitura
 
A assessoria da Prefeitura da Estância Turística de Santa Fé do Sul, em nota, esclarece que o espaço doado para o Poder Público é somente o leito carroçável, ou seja, a pista da vicinal, assim, o município de Santa Fé do Sul utiliza da vicinal para o interesse público. No entanto, as margens da vicinal são de propriedade particular. Desta forma, as mangueiras plantadas na propriedade privada são de responsabilidade do particular.
‘Converseiro’
 
Há pessoas comentando nas redes sociais que o prefeito Ademir Maschio, do DEM, estaria se afastando do PSDB local que o mesmo não irá mais aceitar qualquer interferência dos membros daquele partido. Cabe lembrar, entretanto, que Ademir, mesmo sendo do DEM, é cria do PSDB, inclusive seu vice, Alcir Zaina, também o é.
Conversa de comadres
Algumas pessoas parecem torcer para que isso realmente aconteça; porém vale lembrar que se o prefeito se afastasse do PSDB, e isso parece estar fora de qualquer cogitação, ele ficaria quase que sem sustentação política. A pergunta é: quem ficaria com ele caso ocorresse seu afastamento.
Lambe-lambes
 
Que realmente a cidade está cheia de pessoas “lambendo o prefeito”, isso é fato. E isto vem ocorrendo não por se tratar de Ademir Maschio. Todos os prefeitos que por aqui passaram, até os que ainda estão por vir sofrerão desse tipo de “moléstia”. Cabe ao prefeito, entretanto, identificar quem realmente está ao seu lado, quem torce por uma excelente administração e quem quer mesmo ver o circo pegar fogo.
Astúcia
 
O prefeito de Santa Fé do Sul Ademir Maschio de bobo não tem nada, muito pelo contrário, é astuto o suficiente para separar o joio do trigo, para discernir quem é quem, independentemente de partido político. Precisa, entretanto, jamais “despregar” os pés do chão e nunca dar ouvidos a alguns pseudos intelectuais que afirmam entender de tudo, mas que não têm parada em Santa Fé do Sul. Logo levantam voo afirmando que tentaram fazer da cidade uma Manhattan, mas que, por caipirice ou capricho da Administração, não conseguiram. Daí a necessidade de sempre ouvir o grupo que o apoiou.
 
 
 
 
 
 
 
Última Edição