Tópicos da Semana – Edição de 26/10/19

Publicado em 26/10/2019 00:10

Por Lelo Sampaio.
Charge: Leandro Gusson (Tatto)

Ah, o turista!!!
Final do ano chegando, a cidade começa a receber turistas e visitantes de todas as partes do Brasil, e um velho problema volta à tona: o mau atendimento por alguns proprietários de lojas, lanchonetes, bares, restaurantes, postos de gasolina, dentre outros estabelecimentos. Temos que, definitivamente, ter em mente a importância de preservar a integridade do turista. Devemos deixar de vê-lo como um pote de dinheiro.
Hospitalidade
Somos, por natureza, um povo acolhedor, que gosta de receber as pessoas. Somos um povo alegre, que gosta de mostrar nossa cidade e temos orgulho dela, mas não podemos em épocas de maior movimento “encher os olhos” e pensar que o momento de “tirar o pé da lama” chegou. Devemos tratar nossos turistas muitíssimo bem, praticando preços justos, pois o resto a cidade, por si só, com suas belezas naturais, dá conta do recado.
Precisa retornar
O turista é um parceiro no desenvolvimento da cidade, e disso a maioria das pessoas já sabe, mas devemos tratá-lo bem sob todos os aspectos para que ele fique satisfeito e retorne a nossa cidade sempre. E essa geração de satisfação certamente irá se refletir na vontade desse “cliente” em continuar a usufruir dos serviços desta cidade.
Dados
Segundo uma pesquisa da empresa norte-americana, a US News And World Report, especializada em comportamento dos consumidores, aproximadamente 68% dos clientes não voltam ou não continuam a comprar determinado produto ou serviço pelo mau atendimento e pela má qualidade dos serviços prestados.
Péssima propaganda
Se, por outro lado e por qualquer motivo, ele se sentir lesado, ele certamente nunca mais irá voltar, e pior, irá fazer uma má recomendação a pessoas que ele conhece no seu destino de origem, a chamada propaganda negativa. Daí vem o efeito cascata: Turista mal tratado e insatisfeito faz com que 30 novos turistas deixem de vir um destino. Já o bem tratado, gera a potencialização de 15 novos turistas.
Repeteco?
E parece mesmo que a história se repete todos os anos. Geralmente o cliente fica “horas” esperando por seu lanche, justamente porque o estabelecimento está cheio de clientes e o proprietário não se preparou (ou não quis) para a grande demanda. Muitos reclamam da cerveja quente, dos pedidos “esquecidos” pelos garçons e pela descortesia de alguns atendentes. É preciso que algo seja feito, e já, para que não cometamos neste ano os mesmos erros do passado.
Ah, a demora…
É importante que nossos comerciantes entendam que para quem espera, um minuto torna-se uma eternidade. Há pessoas que aguardam por dois minutos e depois são capazes de dizer que esperaram por uma ou duas horas. Entretanto, após ter sido inicialmente atendida, a pessoa aguardará com mais calma. Evidentemente que o pedido do cliente não pode demorar muito, e isso parece ser uma constância aqui em nossa cidade.
Bem maior
Precisamos ter em mente que a grande “indústria” de Santa Fé do Sul é o turismo, que move atividades importantes como os serviços, gera empregos, renda para a cidade e faz com que alavanque a economia, mesmo que por algum tempo. Uma das grandes reclamações dos turistas, e até mesmo dos que vivem aqui, é que nas lojas muitas vezes são tratados de acordo com a roupa que estão vestindo, ou seja, vestir-se razoavelmente bem é sinônimo de ter dinheiro.
Cautela
É importante também que os profissionais que oferecem seus serviços aos turistas saibam que o que parece ganho fácil, pode amanhã ser prejuízo, já que o turista que se sente lesado jamais retornará, fazendo com que o profissional deixe de ter ganhos futuros.
Escassez
Falta o pão para o sanduíche, o gelo para a bebida, o carvão para o churrasco, enfim, diversos itens que não “desapareceriam” se os proprietários dos estabelecimentos comerciais se prevenissem de forma mais eficaz. Há relatos também que nesta época do ano, produtos como o carvão e o gelo são vendidos a preços mais altos. Definitivamente não podemos “assaltar” nossos turistas.
Ideia boa
Uma boa saída para atender a grande demanda seria a vinda dos food trucks para a cidade, pois daí os turistas, além de terem mais opções de comidas, não ficariam nas grandes filas de espera ou na espera interminável para que o seu pedido chegue logo.

Última Edição