Tópicos da Semana – Edição de 5/08/17.

Publicado em 5/08/2017 00:08

Por Mário Aurélio Sampaio e Silva.
Charge: Leandro Gusson (Tatto).
 
Filme triste
O dia 2 de agosto de 2017 ficará na história, uma história triste e vergonhosa para a grande maioria do povo brasileiro, quando 263 deputados, na sua grandessíssima maioria, cevados por favores e “presentes” do Presidente da República, conseguiram impedir que ele fosse investigado por corrupção passiva. Trata-se de uma infeliz realidade, pois esses mesmos deputados souberam muito bem o que fizeram. Sabem de tudo o que aconteceu, de que o Presidente Michel Temer combinou com Joesley Batista, do contrato benevolente assinado entre uma subsidiária energética da JBS e a Petrobrás dias depois, da mala de dinheiro entregue ao preposto Rocha Loures horas depois.
Voto de “gratidão”
Para não ficar na história coberto de vergonha, qualquer presidente honesto acusado de corrupção faria questão de ser investigado. Ocorre que Temer, o primeiro na história do presidencialismo brasileiro a sofrer tal acusação no cargo, preferiu comprar votos descaradamente para não ser investigado. Oras, se realmente fosse inocente, deveria ter preferido o processo conduzido pelo STF, até porque, ao final, seria inocentado e retornaria glorioso.
Rolo compressor
A palhaçada toda que, por sinal, já estamos até acostumados, desta vez estabelecida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também foi vergonhosa. Falaram por 25 minutos o autor do parecer vitorioso na Comissão de Constituição e Justiça, favorável ao arquivamento da denúncia, Paulo Abi-Ackel, e o advogado de Temer. Depois falaram, por 3 minutos cada, dois governistas e dois defensores da concessão da licença para o processo. Ou seja, 56 minutos para os defensores de Temer e seis minutos para os adversários, ato que pode ser chamado de rolo compressor, um eufemismo para ditadura da maioria.
Tramoia
A noite anterior ao dia da votação com certeza foi de transações tenebrosas, com o Governo dobrando as ofertas para convencer deputados “indecisos” a estarem presentes na hora da votação, ainda que não votassem, ou ainda que votassem com a oposição. Já não importava mais em dar uma demonstração de força, com a rejeição da denúncia, num sinal para o mercado de que Temer teria condições de seguir em frente, reaprumando seu combalido governo e retomando as contrarreformas. O que o Governo já se contentava era apenas com a barragem da denúncia, mesmo que por um número minguado de votos.
Shopping
Consta que Michel Temer teria gasto R$ 300 bilhões para “comprar” votos de parlamentares contra sua denúncia por corrupção passiva. As contas são do deputado Federal Paulo Pimenta, que se baseou na agenda de reuniões do presidente com deputados, a relação dessa agenda com a troca de votos e os valores que estão em jogo nos benefícios oferecidos pelo governo a esses deputados e emendas parlamentares.
Pirlimpimpim
Basta que se acompanhe o ‘Diário Oficial’ para entender essa liberação de emendas de recursos, que segue uma ordem cronológica de mudança de votos. O interessado, ao que parece, foi chamado ao Palácio do Planalto, submetido a conversas e agendas, adquiriu aquilo que ele queria e, tcham, mudou o voto…..Que maravilha!!!
Corruptus
A palavra corrupção deriva do latim corruptus, no sentido de algo pútrido, e no dicionário português abrange o de suborno ou irresistível tentação. No país do “jeitinho” e do “leve vantagem você também”, a corrupção já se enraizou na maioria dos políticos brasileiros, tamanha a facilidade de se obter lucro e ser, ainda assim, impune.
Astúcia
Velhacos se proliferam cada vez mais e, na maior insolência, e em meio a preces de agradecimento, protagonizamos os mais variados tipos de escândalos com ardilosas manobras e até inusitados esconderijos para acondicionar o proveito ilícito. Haja criatividade, e para isso somos um povo extremamente inteligente. O cenário político atual seria cômico se não fosse uma verdadeira catástrofe.
Ratos
Na mesma proporção, muitos, mas muitos brasileiros agonizam nos corredores dos hospitais, muitos deles com atendimentos e suporte precários. Vivemos num país onde poderíamos ter tudo se não fossem essas ratazanas no poder.
Miséria
A recessão dos últimos tempos jogou pelo menos 4 milhões de brasileiros na pobreza, condição de vida agora de 10% da população do país. No total, há 20,5 milhões de pobres no Brasil. A miséria aumentou mais ainda, ou seja, 23,4%, arrastando à pobreza extrema mais 3 milhões de pessoas.
Enquanto isso…
Em uma negociação de mais de 222 milhões de euros (mais de R$ 820 milhões), o Paris Saint-Germain já tem Neymar como seu mais novo reforço. O craque brasileiro deixou o Barcelona em troca de um salário de 30 milhões de euros por ano (R$ 111 milhões). É tanto dinheiro que ele poderia pagar por coisas impossíveis de serem imaginadas.
O salário
O salário mensal de Neymar será de R$ 9,25 milhões, só do Paris Saint-Germain. Neste montante não estão incluídos os contratos pessoais de patrocínio, que rendem outros tantos milhões para o atleta. Por semana são R$ 2,15 milhões entrando em sua conta bancária, cerca de R$ 308 mil por dia. Por hora, Neymar vai faturar R$ 12,8 mil; são R$ 213 a cada minuto, ou um salário mínimo a cada 300 segundos.
Compras
Com seu salário mensal, o jogador brasileiro pode comprar mais de 300 carros populares, aproximadamente 10 veículos por dia; ou 2.642 passagens aéreas São Paulo – Paris por mês; e, cada vez que entrar no avião para visitar o Brasil, ele terá recebido mais de R$ 140 mil quando chegar ao país.
Última Edição