Tópicos da Semana – Edição de 5/10/19

Publicado em 5/10/2019 00:10

Por Lelo Sampaio.
Charge: Leandro Gusson (Tatto).

A cidade está crescendo
Que Santa Fé do Sul já não tem mais o caráter de vila, como muitos de nós pudemos presenciar e vivê-la em tempos passados, isso já é de conhecimento da grandessíssima maioria de todos. Somente neste ano, até o presente momento, foram 450 projetos de construções de casas aprovados pela Prefeitura, numa média de 50 unidades por mês, considerando que os bairros que apresentam atualmente maior expansão são o Jardim Universitário IV e o Vilaje, sem contar os bairros de alto padrão, como o Green Park, o Residencial Ana Maria e o Jardim Europa. Foi-se o tempo em que a cidade era dividida entre o Centro, Bela Vista, o São Francisco, Santa Cruz e a Vila Mariana.

Boas administrações
Quem aqui viveu nas décadas de 60 e 70 consegue ver melhor ainda como a cidade se expandiu em todos os setores, e isso devemos principalmente as sucessivas boas administrações que tivemos, como a de Alberto Pacheco, primeiro prefeito da cidade, que teve como principal trabalho o de desbravar o município e abrir poços (de 1955 a 1958). Após, a cidade foi administrada por Deraldo da Silva Prado (1959 a 1962) e Thomas Monte Vicente (1963 a 1966), que fizeram bons trabalhos também. Nos mandatos de Jerônimo de Paula e Ettore Botura começam os trabalhos de infraestrutura, com o asfaltamento das primeiras ruas da cidade. Fora feito também a canalização no bairro São Francisco, pois lá existia um enorme buraco, denominado “buracão”, que dividia a cidade.

Uma nova cidade
Edson Coelho Araújo, mais conhecido por Edinho (1977 a 1982), deu uma “cara nova” à Santa Fé, pois sua administração era já voltada para o futuro do município, com intenções turísticas. Promoveu festivais de MPB e de teatro, implantou as luzes de Natal, que são singelas para os dias de hoje, mas muito significativas na época, pois todos esperavam pelos fios de lâmpadas comuns que cruzavam as avenidas, principalmente no Centro.

Trabalhos relevantes
Sem desmerecer os demais prefeitos não citados, em 1989 assume Armando Rossafa Garcia, que reconstruiu vários pontos da cidade, construiu o terminal rodoviário, haja vista que o “ponto de ônibus” era onde está instalado hoje o Paço Municipal. Já Antonio Carlos Favaleça, em seu primeiro mandato (1997 a 2000) construiu o Parque Ecoturístico das Águas Claras, a lagoa de tratamento de esgoto que fica localizada próximo ao trevo que dá acesso ao município de Rubineia, o pontilhão da Vila Mariana, a Avenida Mariano Vicente Filho e realizou o desfavelamento das duas favelas existentes na cidade, o projeto 50 Telas, além de ter feito o primeiro “Médico da Família”.

Seguindo os bons governos
Itamar Borges, que foi prefeito por três mandatos (de 1993 a 1996, de 2001 a 2004 e de 2005 a 2008), deu início a um ciclo de desenvolvimento na cidade, elevou o município à Estância Turística, lançando a cidade para todo o país. Em um dos seus mandatos a cidade recebeu o título de Município VerdeAzul, além de tantas outras benfeitorias e conquistas. Já no segundo mandato de Antonio Carlos Favaleça, de 2009 a 2012, destaca-se a revitalização das duas praças centrais, a construção do Parque Mário Covas. Em seu mandato começam também os loteamentos da cidade.
Mais trabalhos…

Em seu segundo mandato (2012 a 2015), Armando Rossafa Garcia, dentre outros feitos, deu continuidade ao projeto de revitalização das avenidas e inaugurou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que hoje atende centenas de pessoas por mês. Não podemos deixar de mencionar o governo atual, de Ademir Maschio, que trouxe para Santa Fé do Sul o curso de Medicina, dentre tantas outras benfeitorias.

Pessoas e história
Santa Fé do Sul é o que é hoje em decorrência de todas as administrações e de várias pessoas que aqui vieram e deram vida à cidade, como Hélio de Oliveira; Arlindo Sutto; Alcides Silva; Lourival Pires Fraga; Doutor Nuno da Gama Lobo d’Essa; Doutor Nilson; Emídio Araújo e sua esposa Gabriela (dona Bela); Alcides Fernandes; Antonio Ramon do Amaral; Coronel Araújo; Antônio Paparelli, e tantas outras pessoas de suma importância que ficamos impossibilitados de citar.

Empreendedorismo de primeira
A cidade cresceu, e como. Hoje temos uma rede de supermercados, do arrojado empresário Alcides Fernandes; o Grupo Ambar Amaral, de propriedade da família Ambar Amaral; a empresa Flash Cover Capotas Marítimas, de propriedade de Márcio Caldeiras e tantos outros comerciários, empresários e trabalhadores que contribuíram e contribuem para o desenvolvimento de Santa Fé do Sul.

Nosso nome
Muitos ainda se perguntam o porquê Santa Fé leva o nome “do Sul”, uma vez que não se localiza nem no sul do estado de São Paulo e tampouco no sul do país, mas o fato é que o nome Santa Fé foi escolhido por coincidir com as iniciais de Sales Filho, e a partícula “do Sul” foi acrescentada por lei, pois havia no Norte do Brasil uma vila com o mesmo nome. Antônio Sales Filho.

Última Edição