Tópicos da Semana – Edição de 8/08/20

Publicado em 8/08/2020 00:08

Por Lelo Sampaio

Começou começando
Já não bastassem os problemas que todos nós estamos passando devido a esta nova situação que jamais imaginaríamos que fossemos viver um dia, a semana parece não ter começado nada bem para o prefeito Ademir Maschio, isso porque após ter estabelecido o novo decreto na sexta-feira da semana passada (31), que passou a valer no sábado (1º), o Ministério Público lhe deu o prazo de 24 horas para que ele respondesse o que teria o levado a publicar o referido decreto que “estabeleceu medidas restritivas em contrariedade ao Plano São Paulo”. Não se discute aqui o mérito do MP, até porque é uma instituição pública autônoma, a quem a Constituição Federal atribuiu a incumbência de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis. Isto é, o Ministério Público é o grande defensor dos interesses do conjunto da sociedade brasileira. Tem a obrigação, portanto, de defender o interesse público, conduzindo-se, sempre, com isenção, apartidarismo e profissionalismo.

Justificativas
O ofício, endereçado ao prefeito, também pediu uma cópia do decreto vigente regulamentando a adoção de medidas de contenção à Covid-19 e também pede informações no sentido de justificar “se as medidas estão em acordo com o Plano São Paulo, justificando na hipótese de contrariedade”.

Plano São Paulo
O Plano São Paulo foi a estratégia que o Governo do Estado de São Paulo usou para “vencer” a Covid-19, baseado na ciência e na saúde. A retomada consciente dos setores da economia começou a funcionar em 1º de junho e o estado ficou dividido em 17 Departamentos Regionais de Saúde, que estão categorizados segundo uma escala de cinco níveis de abertura econômica.

Prefeitos
Como se sabe, cada região pode reabrir determinados setores de acordo com a fase em que se encontra. As regras são: média da taxa de ocupação de leitos de UTI exclusivas para pacientes com o novo coronavírus, número de novas internações no mesmo período e o número de óbitos. Ele dá autonomia para que prefeitos diminuam ou aumentem as restrições de acordo com os limites estabelecidos pelo Estado, desde que apresentem os pré-requisitos embasados em definições técnicas e científicas.

Fase laranja
O DRS de São José do Rio Preto, que inclui Santa Fé do Sul, até o fechamento desta edição, estava na fase laranja, que permite a abertura de shopping centers (com proibição de abertura das praças de alimentação), comércio de rua e serviços em geral, funcionando com capacidade limitada a 20%, horário reduzido para quatro horas seguidas e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos.

Fase laranja II
Nesta fase fica proibida a abertura de bares e restaurantes para o consumo local, salões de beleza e barbearias, academias de esportes em todas as modalidades e outras atividades que gerem aglomeração. Porém o decreto municipal que entrou que entrou em vigor no dia 1º e vai até o dia 15 de agosto permitiu que o comércio em geral funcionasse de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h eaos sábados, das 9h às 13, fechando aos domingos.

Restaurantes e afins
Bares, restaurantes e lanchonetes passaram a funcionar de segunda a sábado, das 9h às 22h, com capacidade de 20% de sua lotação máxima e domingo permaneceram fechados, inclusive sem o sistema de delivery. Supermercados e mercados passaram então a funcionar das 9h às 22h, com atendimento normal, sem prejuízo do atendimento pelo sistema delivery (entrega a domicílio) após às 22h. Aos sábados, das 9h às 18h, atendimento normal, sem prejuízo do atendimento pelo sistema delivery (entrega a domicílio) após às 18h.

Outros estabelecimentos
Já as padarias estão funcionando das 6h às 18h, com atendimento normal, sem prejuízo do atendimento pelo sistema delivery (entrega a domicílio) até às 22h e aos sábados das 6h às 13h, com atendimento normal. Salões de beleza e barbearias passaram a funcionar de segunda a sábado, sem aglomeração de pessoas na recepção, com atendimento por agendamento; a Feira do Produtor Rural somente pode ser realizada as terças e sextas-feiras, das 16h às 22h e as academias, de segunda a sábado, das 5h às 22h, com atendimento normal.

No c…
A Prefeitura de Itajaí, cidade localizada em Santa Catarina, já causou muita polêmica durante a pandemia do novo coronavírus por defender métodos de tratamento completamente fora do padrão adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A mais nova tentativa do prefeito Volnei Morastoni (MDB), que é médico, será a aplicação de ozônio no ânus dos pacientes.

Tranquilíssimo
“Além da citromicina, além da cânfora, nós também vamos oferecer o ozônio. É uma aplicação simples, rápida, de dois ou três minutinhos por dia, provavelmente via retal, tranquilíssima, rapidíssima, em um cateter fininho, e isso dá um resultado excelente”, disse o prefeito em vídeo publicado nas redes sociais.

E virou memes
A falta de comprovação científica do método causou polêmica após o anúncio do político, uma vez que o CFM (Conselho Federal de Medicina) desaconselha o uso laboratorial da ozonioterapia, assunto que virou meme nas redes sociais. Pois é, se não der certo, ao que parece, vão resolver o problema do buraco do ozônio. E devemos torcer para que

Última Edição