MÃES NA PANDEMIA: ‘SINTO PÂNICO SÓ DE PENSAR EM FICAR DOENTE’

Publicado em 26/06/2020 17:06

Mães dependem de doações de alimentos para sobreviver à pandemia

“Olha sua irmã um minutinho que eu preciso conversar com a moça”. Somente com a ajuda do filho Arthur, de 11 anos, que Cristiane dos Santos consegue atender a reportagem.
Enquanto o garoto não distrai a pequena Elis, de 2 anos, a entrevista é intercalada por choros e gritos. Fabiana Ferreira Costa, de 35 anos, também teve de colocar todos os olhos em cima de Melissa, de três anos, que ameaçava morder um pedaço da parede de casa.
Rotina semelhante e repleta de dificuldades enfrenta Thalia Marcele Silva, de 22 anos, mãe de Miguel, de quatro.


Em comum, as três mulheres têm uma rotina sem pausas em que falta renda para garantir alimentação e condições de higiene aos filhos, sofrem com a ruptura da rede de apoio durante a pandemia e, sobretudo, temem ficar doentes por não saberem quem poderá cuidar das crianças. “Não sabemos onde está esse inimigo invisível. Meu medo é essa doença chegar na minha família, não posso me dar ao luxo de ficar doente”, diz Cristiane.


De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o percentual de domicílios comandados por mulheres saltou de 25%, em 1995, para 45%, em 2018, principalmente em decorrência do crescimento da participação feminina no mercado de trabalho. No entanto, durante a pandemia, com a suspensão do funcionamento de creches em todo o país, mães acumulam funções dentro de casa e cumprem uma jornada exaustiva em cômodos apertados para seguir o isolamento social.


“Perdemos o acesso à escola, que é um grande agente de cuidados para a família, o contato com a rua, com o público, perdemos tudo”, diz Thaiz Leão, mãe, diretora do Instituto Casa Mãe e coidealizadora do Projeto Segura a Curva das Mães, que busca ajudar mulheres durante a epidemia. “As mães estão nesse lugar de onipresença que não é real porque trata-se de apenas um corpo, uma mulher, um recurso finito”.


A maternidade, de forma geral, explica Thaiz, já implica em um isolamento cultural. Em um cenário de pandemia, determinadas dificuldades se impõem sem que ao menos sejam questionadas. “Muitas mulheres simplesmente assumem e se colocam em um lugar de ser super potentes, mas isso as impacta fisicamente”, diz.
Nesse contexto, em que muitas mães solos assumem a responsabilidade de cuidar da saúde de todas as pessoas que vivem em uma mesma casa, nasceu o projeto “Segura a Curva das Mães”, realizado pelo Instituto Casa Mãe e pelo Coletivo Massa. O nome, que faz referência a contenção da curva do coronavírus, busca dar apoio financeiro e psicológico para as mães de todo o país durante a pandemia.
A partir de um levantamento para entender as necessidades de mães que vivem em regiões de periferia, o projeto faz um repasse de verba emergencial no valor de R$ 150 por pessoa. Na primeira chamada, foram 732 mães atendidas. As principais demandas são alimentos, itens de higiene, água potável, gás de cozinha, medicamentos e por fim o aluguel. O projeto também auxilia as mães que possuem despesas maiores por meio de padrinhos e madrinhas que podem adotar famílias para se responsabilizar.
“É preciso pensar que existem mães que vendiam pipocas na rua, agora não tem mais rua para vender”, afirma Thaiz. “Elas têm de trabalhar com a perspectiva do que é essencial nesse momento, por exemplo, costurando máscaras. Ao mesmo tempo como conseguem trabalhar, cuidar das crianças e limpar a casa?”
REDE DE APOIO ESCASSA
Outro problema vivenciado por mães brasileiras que a pandemia joga luz é a redução da rede de apoio à mulher. “Por conta do isolamento, as crianças não conseguem frequentar escolas e creches”, afirma Thaís Ferreira, também idealizadora do Projeto Segura a Curva das Mães. “Com isso, as mulheres não conseguem caminhar nas ruas, socializar com outras pessoas e ter um respiro. Sem autonomia e independência financeira, a mulher se vê em meio a uma situação de estresse tóxico”.
Enaltecer as inúmeras funções assumidas por mulheres durante o período da quarentena é, segundo Thaís, uma forma de romantizar mais uma vez a maternidade. “Reforçar isso é mais uma vez colocar a mulher num lugar de guerreira que pode suportar tudo, ainda que custe a sua própria vida”, diz. “A gente, na verdade, sofre para manter em um ambiente de ausência de recurso financeiro, de alimentação, em circunstâncias de vulnerabilidade”.
Para suprir essas necessidades, o projeto destina R$ 150 às mulheres com mais dificuldade financeira, oferece uma rede de apoio por meio de psicólogas e atendimento jurídico e compartilha ensinamentos de autocuidado.
Hoje, o projeto atende 1.734 mães com diferentes problemas em todo o país. “Relacionamos as mães que sofrem com a falta de alimentos com pessoas que podem fazer doações”, explica Thaís. “Fazemos os repasses de acordo com as urgências.” A pandemia, segundo Thais, mostrou como o país não superou desigualdades sociais, mas, sobretudo, raciais.
“São as histórias da minha mãe, minha avó, minhas amigas. Os processos de dignidade têm de começar desde a barriga da mãe. Estamos com a oportunidade de olhar para tudo isso e fazer com que as soluções sejam perenes”, explica. “Ao mesmo tempo, há um risco de retrocesso muito grande. Sem manter essas vozes em volume alto vamos retroceder”.
SEM POLÍTICAS PARA MÃES E CRIANÇAS
As falas ao telefone interceptadas por pedidos de espera para atender aos filhos, brincar ou apenas segurá-los no colo reflete o quão disputado pode ser o instante de uma mãe que cumpre o isolamento social. “As pessoas nunca compreenderam a maternidade na sociedade, tampouco, a maternidade solo”, afirma Jade Alcântara Lobo, socióloga e pesquisadora de maternidades negras da Universidade Federal de Santa Catariana.
Essas mulheres, explica a socióloga, já tinham dificuldades para entrar no mercado de trabalho. “Agora, há um seríssimo agravamento dessa situação”, diz Jade. “Os problemas que surgem a partir dos lares também devem ser levados em consideração: como vão comprar material de limpeza, ter acesso à água encanada, água potável? São pessoas que, historicamente, estão em lugares de risco ambiental em decorrência de um processo de marginalização”.
Moradora de Bertioga, no litoral de São Paulo, Cristiane dos Santos trabalhava como trancista. Com a pandemia, afirma que como não pode atender clientes em casa, teve de parar de trabalhar. “Fico o tempo todo dentro de casa com eles, acordamos e acompanhamos as atividades da escola. À tarde, fazemos algumas brincadeiras, mas é muito difícil segurar a ansiedade deles”, diz. “Me sinto cansada. Ser responsável pelo sustento do lar, provedora da casa, tudo isso ao mesmo tempo e ainda sentir medo de ficar doente”. Contrair a Covid-19, para Cristiane, afetaria toda a dinâmica da casa.
Antes da pandemia, Cristiane fazia aulas de ioga e alongamento, participava de um projeto de horta comunitária no bairro em que vive e levava a bebê para a creche de bicicleta. Com a rotina drasticamente alterada ela não consegue enxergar uma suposta volta à normalidade. “Apesar de estar tudo aberto aqui na minha cidade, não sabemos onde está esse inimigo, por isso, não posso me dar ao luxo de ficar doente.” R7.

Última Edição