POLÍCIA FEDERAL E MINISTÉRIO PÚBLICO TRABALHAM EM CONJUNTO PARA QUE PATRIMÔNIO DOS ENVOLVIDOS VOLTE AOS COFRES PÚBLICOS DE JALES

Publicado em 5/08/2018 06:08

Um assunto está passando despercebido até mesmo por nossa imprensa local e regional, o que fazer com um patrimônio adquirido pelos envolvidos com os desvios de dinheiro dos cofres da Prefeitura de Jales?
A Polícia Federal lacrou três lojas, duas em Jales e uma em Santa Fé do Sul, uma verdadeira mansão na área rural com 9 mil metros, e 500 metros de construção. Os agentes disseram que nunca viram coisa igual. Os móveis da mansão era de dar inveja a suíte Presidencial.
A casa de Érica na cidade não ficava atrás, coisa de primeiro mundo, fora a quantidade de veículos novos comprados nos últimos meses, e, nas contas bancárias do casal, cerca de 120 mil reais foram bloqueados.
A casa da irmã de Érica, Simone, também era de dar inveja a poucos milionários.
Mas o que fazer com tantos bens? As lojas não poderão ficar lacradas até o fim do processo, e o que dizer dos funcionários que ficaram sem seus salários, ou os donos dos prédios que ficarão sem receber os alugueis?
Pensando neste lado, que a Policia Federal e o Ministério Público Estadual vão recomendar que uma ação rápida possa fazer com que o patrimônio estimado em cerca de 4 milhões do casal volte para os cofres da Prefeitura de Jales.
A ideia é, por exemplo, leiloar as lojas de porteira fechada. Empresários interessados arrematariam o ponto e estoque, e aproveitariam os empregados dessas lojas dando continuidade no ganha pão de cada família.
As casas de Érica, na cidade e zona rural, também seriam leiloadas, revertendo aos cofres da Prefeitura que, através de uma comissão, designaria em que setor seriam revertidos os investimentos.
De uma coisa é certa, lembrando bem o Agente de Comunicação Social da Polícia Federal de Jales, Gouveia, no próximo mês a Prefeitura já começa a lucrar. Pelo menos cerca de 100 mil reais deixarão de ser desviados dos cofres municipais. A Voz das Cidades.

Última Edição